Estranhos anúncios na internet

Não sou doido de clicar num linque assim e depois ter a internet inundada por mais anúncios com esse tipo de produto / tratamento / mandinga. Até porque ainda não me livrei da tsunami de cuecas, protetores auriculares e bloqueadores de ruído que me assola há algumas semanas.

Mas é claro que fico curioso. As manchetes são propositalmente interrompidas antes de explicarem a que vêm – justamente para que o incauto caia na armadilha, entre no saite e aí… sabideus.

Prefiro dar hélices e turbinas à imaginação e tentar adivinhar que tipo de mudança ocorrerá se eu desenhar a barba, me vestir de vendedor de colchão, botar uma caveira ao fundo e incorporar o olhar de quem está em sessão de hipnose. Ou me fantasiar de participante do Masterchef e fizer pose de estátua soviética ou praticante de pompoarismo.

E aí elucubro. Matuto. Conjecturo.

“Fazer isso todas as manhãs pode…”

Causar tédio mortal até a uma caveira? Evitar o crescimento de pelos entre as sobrancelhas? Mobilizar as pessoas a doarem livros para preencher a estante vazia? O Médico Brasileiro (Brasileiro deve ser o sobrenome dele, para estar assim, em maiúscula) deve ser o único a ter a resposta, mas duvido que meu plano cubra esse tipo de consulta.

“Bigode chinês: Doutora ensina como pode diminuir…”

PUBLICIDADE

Clique AQUI para conhecer melhor o novo empreendimento da Idealiza 

O primeiro enigma é que esses anúncios de internet normalmente ensinam como aumentar. Alguém que ensine a diminuir estará atuando num nicho de mercado reduzidíssimo. Eu, pelo menos, nunca soube de ninguém que tivesse essa intenção.

O segundo é que o Médico Brasileiro da foto logo ao lado é quem devia estar ensinando algo sobre bigode. O dele, com um quê de Village People, é que realmente pode (e deve) ser diminuído.

Ou será “bigode chinês” um tipo de depilação íntima que entrou na moda durante a pandemia, quando eu estava fora do mercado? Conheço o asa delta, o bigodinho nazista, o risquinho, o Amazônia pós Salles (devastação total) – mas o bigode chinês eu não visualizo.

Pela cara da Doutora, esse modelo deve exigir níveis altíssimos de concentração, abstração e esvaziamento da mente. Logo, totalmente incompatível comigo – não bastasse o fato de que depilar as orelhas a cada seis meses seja o meu limite no quesito autoflagelação.

Vou continuar sem fazer ideia do que se trata nem me sentir mais burro por isso: como disse a Clarice Lispector, sou mais completo quanto não entendo. Já passei por isso antes, durante as aulas de Teoria Lacaniana, os episódios de “Dark” ou os votos da Rosa Weber – e sobrevivi.

(Se alguém clicar e descobrir o que é, por favor, não me conte, para não estragar minha fantasia.)

~

Aos alunos das Oficinas de Crônicas: esta postagem contém espóiler de um dos próximos temas. Sim, eu faço o dever de casa antes de passar para as turmas.

Eduardo Affonso é colunista de O Globo e, a pedido nosso, autorizou o compartilhamento, aqui, de seus posts no facebook.

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.