Connect with us

Pandemia

PELOTAS E RS ENTRAM EM BANDEIRA VERMELHA

Publicado

on

Pelotas está em bandeira vermelha, no Distanciamento Controlado, segundo a divulgação preliminar do governo do Estado nesta sexta-feira (27). A classificação indica que a R21 – região da qual o Município faz parte -, enquadra-se em risco alto para contágio do novo coronavírus. A Prefeitura não irá recorrer.

De acordo com o modelo, a piora nos índices de “variação no número de internados por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em UTI”, de “variação de confirmados em leitos clínicos”, de “variação de confirmados em UTI”, de “projeção de incidência de óbitos relativa à população”, de “número de leitos livres para cada leito ocupado Covid”, de “variação no número de leitos UTI livres para atender Covid-19” e de “variação no número de leitos de UTI livres para atender Covid-19” ponderou a média regional para bandeira vermelha.  

O Executivo municipal realizará reuniões, no início da próxima semana, para avaliar se Pelotas irá aderir ou não ao Plano Regional de Enfrentamento à Covid-19 da Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul). A vigência da classificação é de 1º a 7 de dezembro.

Restrições em vigor

Ao longo da última semana, a Prefeitura, por meio de decretos municipais, determinou medidas restritivas para frear o avanço da pandemia no Município. Após a investigação, realizada pela Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), concluir que a faixa etária com mais infectados é entre 20 a 34 anos, as restrições visaram combater aglomerações entre esse público-alvo.

Restaurantes, bares, lojas de conveniências, trailers e similares devem encerrar atividades, totalmente, às 24h. Tele-entregas ficam permitidas até as 23h. Além disso, a permanência em áreas de convivência em ginásios de esporte, bem como a comercialização de bebidas alcoólicas no interior estão proibidas.

A permanência em locais públicos, como praças, parques, avenidas, calçadões, praias e suas respectivas orlas também está proibida. O uso obrigatório de máscara segue no Município.   

Abaixo, matéria do governo do estado

O Rio Grande do Sul passa pelo momento mais crítico da pandemia de coronavírus. Com o número de pacientes internados em leitos clínicos e em UTIs atingindo o pico da série histórica, o mapa preliminar da 30ª semana do Distanciamento Controlado, divulgado nesta sexta-feira (27/11), traz, pela primeira vez, todas as 21 regiões Covid em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto).

Na quinta-feira (26/11), o Estado chegou a 1.183 pacientes hospitalizados por conta do coronavírus e a 775 pessoas internadas em leitos de UTI. Com a manutenção do total de leitos e o aumento de 13% nos pacientes confirmados por Covid-19 internados em UTI, houve nova redução de leitos livres, chegando ao menor nível desde o início do Distanciamento Controlado: 0,67.

Publicidade

O quadro fez com que o indicador específico que mede a capacidade de atendimento do Estado como um todo recebesse a classificação de risco altíssimo (bandeira preta), cenário que se repete em cinco das macrorregiões (Metropolitana, Serra, Missioneira, Centro-Oeste e Norte).

Houve uma piora em diversos indicadores ao longo da última semana. O número de casos ativos para doença cresceu 13% e ultrapassou a marca de 21 mil pessoas que testaram positivo apenas nesse período.

Pela primeira vez, ao menos três regiões tiveram média ponderada que as aproximou da classificação final em bandeira preta: Bagé, Erechim e Uruguaiana. Além da situação piorar em toda a macrorregião Norte, Erechim foi a única que alcançou classificação de risco máximo nos quatro indicadores regionais.

A situação piorou significativamente no último mês. De 30 de outubro a 26 de novembro, os indicadores apontam elevação de 26% (de 830 para 1.047) no número de hospitalizações confirmadas pela doença e aumento de 30% (de 712 para 928) de internados em UTI por síndrome respiratória aguda grave (SRAG).

Além disso, o número de internados em leitos clínicos com coronavírus cresceu 54% (de 768 para 1.183) e o número de óbitos subiu 31%, de 211 para 276.

O mapa mais avermelhado já visto pelo Estado foi o preliminar da 15ª rodada, que apresentou 16 regiões com risco alto. Após recursos, o mapa definitivo, vigente entre os dias 18 e 24 de agosto, trouxe 14 regiões em vermelho.

Veja o mapa preliminar da 30ª rodada: https://distanciamentocontrolado.rs.gov.br

Das 21 regiões Covid – neste mapa preliminar, todas em bandeira vermelha –, apenas Uruguaiana, Bagé e Guaíba não apresentam protocolos próprios, geridos pelo sistema de cogestão regional.

As regiões em cogestão classificadas em bandeira vermelha podem adotar regras de bandeira laranja, e as classificadas em laranja podem adotar protocolos de bandeira amarela, basta que enviem protocolos próprios adaptados à Secretaria de Articulação e Apoio aos Municípios (Saam).

Os planos regionais aprovados estão disponíveis em https://planejamento.rs.gov.br/cogestao-regional

Publicidade

Paralelamente aos pedidos de cogestão, o Estado aceitará pedidos de reconsideração à classificação de risco, que podem ser feitos via associação regional por meio de formulário eletrônico (pelo link https://forms.gle/8SuLcENKajfXihPs5), no prazo máximo de 36 horas após a divulgação do mapa preliminar – até as 6h de domingo (29/11).

A adoção de protocolos alternativos não altera as cores do mapa definitivo, que será divulgado após análise dos recursos pelo Gabinete de Crise, na tarde de segunda-feira (30/11), por meio de notícia publicada no site do governo do Estado. A vigência das bandeiras da 30ª rodada começa à 0h de terça-feira (1°/12) e se encerra às 23h59 de segunda-feira (7/12).

Regra 0-0

Conforme o mapa preliminar da 30ª rodada, todos os 497 municípios do Rio Grande do Sul estão em bandeira vermelha, o que corresponde a 100% da população gaúcha (total de 11,3 milhões de habitantes).

Dos 497 municípios gaúchos, 207 (930.400 habitantes, 8% da população gaúcha) podem adotar protocolos de bandeira laranja, porque cumprem os critérios da Regra 0-0, ou seja, não têm registro de óbito ou hospitalização de moradores nos últimos 14 dias, desde que a prefeitura crie um regulamento local.

• Clique aqui e acesse a lista de municípios que se encaixam na Regra 0-0

RESUMO DA 30ª RODADA

Regiões que apresentaram piora (13)

LARANJA > VERMELHA

Santa Maria (em cogestão)
Guaíba
Lajeado (em cogestão)
Santo Ângelo (em cogestão)
Santa Rosa (em cogestão)
Cruz Alta (em cogestão)
Bagé
Taquara (em cogestão)
Cachoeira do Sul (em cogestão)
Santa Cruz do Sul (em cogestão)
Pelotas (em cogestão)
Caxias do Sul (em cogestão)
Porto Alegre (em cogestão)

Publicidade

Regiões que seguem igual

BANDEIRA VERMELHA (8)

Novo Hamburgo (em cogestão)
Passo Fundo (em cogestão)
Capão da Canoa (em cogestão)
Canoas (em cogestão)
Ijuí (em cogestão)
Palmeira das Missões (em cogestão)
Erechim (em cogestão)
Uruguaiana

• Clique aqui e acesse a nota técnica com as justificativas de classificações das regiões.

DESTAQUES DA 30ª RODADA

• número de novos registros semanais de hospitalizações confirmadas com Covid-19 reduziu 11% entre as duas últimas semanas (de 1.172 para 1.047);
• número de internados em UTI por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) aumentou 12% no Estado entre as duas últimas quintas-feiras (de 827 para 928);
• número de internados em leitos clínicos com Covid-19 aumentou 17% entre as duas;
• últimas quintas-feiras (de 1.014 para 1.183);
• número de internados em leitos de UTI com Covid-19 aumentou 13% entre as duas últimas quintas-feiras (de 683 para 775);
• número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 reduziu 17% entre as duas últimas quintas-feiras (de 626 para 522);
• número de casos ativos aumentou 13% entre as duas últimas semanas (de 18.860 para 21.348);
• número de registros de óbitos por Covid-19 ficou praticamente estável entre as duas últimas quintas-feiras (de 282 para 276).

As regiões com maior número de novos registros de hospitalizações nos últimos sete dias, por local de residência do paciente, são Porto Alegre (238), Caxias do Sul (128), Passo Fundo (79), Novo Hamburgo (74) e Canoas (62).

Comparativo: situação entre 30 de outubro e 26 de novembro

• número de novos registros semanais de hospitalizações confirmadas com Covid-19 aumentou 26% no período (de 830 para 1.047);
• número de internados em UTI por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) aumentou 30% no Estado no período (de 712 para 928);
• número de internados em leitos clínicos com Covid-19 aumentou 54% no período (de 768 para 1.183);
• número de internados em leitos de UTI com Covid-19 aumentou 35% no período (de 573 para 775);
• número de casos ativos aumentou 63% no período (de 13.061 para 21.343);
• número de leitos de UTI adulto livres para atender Covid-19 reduziu 34% no período (de 791 para 522);
• número de óbitos por Covid-19 acumulados em sete dias aumentou 31% no período (de 211 para 276).

Publicidade
1 Comment

1 Comment

  1. Jonas

    28/11/20 at 12:27

    Gostaria de entender o porquê de haver segundo turno diante desse caos da pandemia. A bandeira vermelha já devia estar vigorando há dias. Aglomerar em parques e lugares públicos não pode (decisão corretíssima) contudo, na “festa da democracia” , para votar…

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor.

Pandemia

Comitê Covid-19 UFPel alerta para retorno de alta transmissibilidade em Pelotas

Publicado

on

O Comitê Interno para Acompanhamento da Evolução da Pandemia da Covid-19 da UFPel divulgou nota técnica em que alerta para um retorno de um quadro de alta transmissibilidade do coronavírus em Pelotas.

Essa piora, segundo o grupo, ocorre após um período de uma taxa de transmissão mais baixa. Isso ocorre devido ao abandono de medidas de prevenção, especialmente do uso de máscaras em ambientes fechados. O comitê ainda destaca que há muitos pelotenses com a dose de reforço atrasada, o que prejudica a situação do contágio.

Uma das observações feitas pelo grupo é que há um crescimento nas internações, em patamares que não eram observados desde março. Outro dado levantado pelo comitê é o de mortalidade por Covid-19, que, nas taxas atuais, é maior que de doenças com alta fator de mortalidade, como cânceres de pulmão e mama.

Por isso, o Comitê Covid-19 UFPel ainda incentiva o uso de máscaras de boa qualidade, cobrindo boca e nariz, e a busca por uma maior adesão à imunização por meio de vacina, especialmente em populações vulneráveis ou que estejam com doses em atraso.

Continue Reading

Brasil e mundo

Instrução estabelece retorno de servidores a trabalho presencial

Publicado

on

Publicada no Diário Oficial da União de hoje (6) instrução normativa do Ministério da Economia que estabelece o retorno de servidores e empregados públicos ao trabalho presencial. A medida vale para aqueles que trabalham em órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração Pública Federal (Sipec).

A Instrução Normativa nº 36, no entanto, acrescenta que “os órgãos e entidades integrantes do Sipec poderão utilizar o Programa de Gestão, nos termos da Instrução Normativa nº 65, de 30 de julho de 2020, para permitir a continuidade ou execução de atividades em regime não presencial”.

A instrução publicada em 2020 estabelece orientações, critérios e procedimentos adotados para a implementação de um programa de gestão que possibilita a execução de atividades remotas, pelos servidores e empregados públicos vinculados ao Sipec, detalhando situações, contextos e objetivos que viabilizam a implementação desse modelo.

Continue Reading

Brasil e mundo

Fiocruz vai produzir primeiro antiviral oral contra covid-19 no Brasil

Publicado

on

O Instituto de Tecnologia em Fármacos da Fundação Oswaldo Cruz (Farmanguinhos/Fiocruz) anunciou hoje (5) que assinou um acordo de cooperação tecnológica com a farmacêutica americana Merck Sharp & Dohme (MSD), com o objetivo de produzir no Brasil o molnupiravir, primeiro antiviral oral para o tratamento da covid-19.

O acordo foi assinado na terça-feira (3) e o medicamento recebeu ontem (4), da Agência Nacional de Vigilância em Saúde (Anvisa), a autorização de uso emergencial no país. O pedido à Anvisa foi protocolado pela MSD em novembro.

Em princípio, a Fiocruz será responsável pela importação, administração, testagem, armazenagem, embalagem, rotulagem, liberação e fornecimento do medicamento para o Sistema Único de Saúde (SUS). A transferência da tecnologia para a produção 100% nacional será viabilizada ao longo dos próximos dois anos, após avaliação das condições técnicas e demanda do SUS pelo molnupiravir.

O acordo prevê também a condução de ensaios clínicos para verificar a eficácia em um eventual uso profilático para a covid-19, além de estudos experimentais da atividade do medicamento contra vírus como o da dengue e da chikungunya. A MSD vai monitorar e prestar assistência nas atividades para a transferência parcial de tecnologia.

Segundo a farmacêutica, o molnupiravir reduz “significativamente” as hospitalizações e até 89% da mortalidade por covid-19. O diretor de Farmanguinhos, Jorge Mendonça, explicou que o acordo vem sendo discutido desde o começo de 2021 e as negociações resultaram em um projeto de grande potencial também para o tratamento de outras doenças.

“Faz mais de um ano que a gente vem conversando com a MSD e acompanhando toda a evolução dos testes e dos resultados, na torcida, porque tínhamos uma pandemia e toda uma população para tratar. Acho que chegamos a um documento bastante robusto, não só no sentido de trazer mais uma ferramenta de combate à covid-19, mas também de internalização do produto e de utilização dele para outras doenças importantes para o SUS”.

Molnupiravir

O molnupiravir já recebeu aprovação condicional pela Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido (MHRA) e pela Agência Regulatória Europeia (EMA), além de aprovação para uso emergencial pelo Food and Drug Administration dos Estados Unidos (FDA), sendo usado atualmente em 17 países.

Segundo a autorização da Anvisa, o molnupiravir poderá ser usado no tratamento de pacientes de covid-19 maiores de 18 anos, não grávidas, que não precisam de oxigênio suplementar e apresentam risco de evolução para a forma grave da doença, com necessidade de prescrição médica.

O estudo clínico global de fase 3, iniciado em abril do ano passado, teve sete centros no Brasil, sendo três em São Paulo, um em Brasília, um em Belo Horizonte, um em Curitiba e outro em Bento Gonçalves (RS).

Publicidade
Continue Reading



Brasil e mundo2 dias atrás

Ciclone chega hoje com vento intenso e ameaça de danos

Cultura e diversão4 dias atrás

O homem do norte. Por Déborah Schmidt

Brasil e mundo6 dias atrás

Congresso prorroga MP que amplia margem do crédito consignado

Especial7 dias atrás

Curiosidades sobre o rural em Pelotas – II. Por Robson Loeck

Brasil e mundo1 semana atrás

Nova pesquisa Quaest mostra vitória de Lula no primeiro turno

Brasil e mundo1 semana atrás

Contran beneficiará motoristas que não cometerem infração por 12 meses

Pandemia2 semanas atrás

Comitê Covid-19 UFPel alerta para retorno de alta transmissibilidade em Pelotas

Cultura e diversão2 semanas atrás

Cuco. Por Vitor Bertini

Brasil e mundo2 semanas atrás

Nova pesquisa mostra Lula vinte pontos à frente de Bolsonaro no segundo turno

Brasil e mundo2 semanas atrás

Instrução estabelece retorno de servidores a trabalho presencial

Brasil e mundo2 semanas atrás

Fiocruz vai produzir primeiro antiviral oral contra covid-19 no Brasil

Pelotas e RS2 semanas atrás

Pelotas x Nova York

Pandemia2 semanas atrás

Idosos com 70 anos ou mais recebem 4ª dose a partir desta quinta-feira

Especial2 semanas atrás

DiCaprio, política e atores

Opinião2 semanas atrás

Direto com a dona. Por Montserrat Martins

Brasil e mundo2 semanas atrás

Prazo para emitir ou regularizar título termina quarta-feira

Cultura e diversão2 semanas atrás

Exposição AGO, de Felipe Caldas, começa dia 5

Especial3 semanas atrás

A Era das Narrativas. Por Montserrat Martins

Especial3 semanas atrás

Sobre a polêmica Efeito Estufa e Mario Quintana

Brasil e mundo3 semanas atrás

Governo age para manter fornecimento de fertilizante, diz presidente

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em alta