Connect with us

Cultura e diversão

‘Pelotas negra chega à Câmara com quatro representantes’. Por César Brizolara

Publicado

on

César Brisolara, vereador eleito e integrante da RAPS, Rede de Ação Política pela Sustentabilidade.

César Brizolara

A Câmara de Vereadores de Pelotas inicia um momento ímpar em sua história. A eleição de quatro vereadores negros, três mulheres e um deficiente físico passa a dar vez e voz a tantos gritos silenciados, a maioria têm sido afastadas dos espaços de poder e, por consequência, das conquistas que chegam a outras categorias da população.

Pela primeira vez, o povo pelotense se conscientizou da necessidade urgente de eleger representantes que falem por ele no Legislativo, que até há pouco tempo era branco, masculino e praticamente insensível à invisibilidade social, racial e de gênero.

Embora sejamos de partidos e lados diferentes, há muito a se fazer em conjunto. O cargo que agora ocupamos nos cobrará esse dever: trazer ao debate as condições de trabalho, educação, saúde, moradia, exclusão social e racial e tantas outras separadas por um abismo.

Como negro representante da comunidade da Guabiroba, do Fragata e da cidade, sempre defendi a importância de assumirmos quem somos para que nossos direitos sejam respeitados e nossa voz seja ouvida. Em 2010, o Censo Populacional do IBGE apresentava dados desconcertantes. Em Pelotas, com uma população de mais de 320 mil habitantes, em torno de 60 mil se autodeclararam negros e pardos. Todos sabemos que Pelotas é uma das maiores cidades de população negra no Estado, mas os números do Censo não refletiram isso.

No entanto, os tempos mudaram. E a eleição deste ano já é um reflexo dessa mudança. Ao eleger quatro vereadores negros, o recado está dado: não vamos mais esconder quem somos.

Ao contrário, assim como no restante do país, nós, negros pelotenses, reivindicamos o espaço a que temos direito. Precisamos mudar os números de pesquisas onde o negro está sempre em desvantagem. Aumentar a consciência da nossa negritude é algo urgente, sob pena de inviabilizar a realidade da maioria da população negra de Pelotas.

Publicidade

Segundo a publicação Indicadores Sociais do Brasil de 2019, apresentada pelo IBGE, o salário médio do trabalhador branco é 73,9% maior do que do trabalhador negro.

A pesquisa constata que o rendimento do trabalho é resultado da inserção do trabalhador no mercado, “que tem estreita relação com a estrutura econômica do Brasil e com a hierarquia social que se revela pelas oportunidades existentes, escolhas individuais, formação escolar, evolução em carreiras específicas, evolução das tecnologias, entre outros fatores”. Só o dado escolarização já exemplifica bem essa diferença brutal de salários.

Entre os jovens que não estudam, 46% não concluíram o ensino fundamental. Não precisa estatística para sabermos que os jovens negros são os que mais abandonam a escola, para ganhar a vida como catadores, domésticas, cuidadores de carros, serviços gerais e tantas outras. Mas quantos ocupam o primeiro escalão do governo municipal?

Ainda no último Censo, Pelotas tinha 31,9% dos domicílios com rendimentos mensais de até meio salário mínimo. Isso mesmo, meio salário mínimo! É só andar pela periferia da cidade que vamos constatar que a maioria das famílias carentes é formada por negros.

Precisamos levantar a voz e gritar que “Vidas Negras Importam”, seja por causa da violência ou por causa do racismo estrutural que está profundamente inserido no Brasil, do qual Pelotas é um grande exemplo.

Segundo a socióloga Márcia Lima, do Núcleo de Pesquisa e Formação em Raça, Gênero e Justiça Racial do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, nos últimos anos aumentou a mobilização negra contra a violência racial, embora a discussão sobre o racismo em todas as suas vertentes seja ainda pouco visível. A violência que não nos permite exigir respeito por quem somos.

Como vereador eleito na periferia de Pelotas, quero trazer essa discussão para a Câmara.

Publicidade

Precisamos nos orgulhar de quem somos e compreender que nem todos vão entender a importância desse momento. Para esses, o nosso progresso deixará assustados, afinal “a vida é muito vasta para insistir naqueles que já deviam ter aprendido”. A apatia e o medo precisam ser trocados pelo orgulho e a mobilização negra, e agora temos força para fazer essa mudança.

Daqui pra frente vocês jovens, negros, mulheres, deficientes e demais periféricos esqueçam o “eu não posso”, “eu não consigo” ou o “isso é impossível para mim”, substituam pelo “SIM, EU POSSO!” e vejam em nós os oportunizadores de uma nova Pelotas. Nós somos a prova que a
mudança está na mão de vocês!

Publicidade
Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor.

Brasil e mundo

Morre, aos 91 anos, a cantora Elza Soares

Publicado

on

A música brasileira perdeu uma de suas vozes mais representativas. A cantora Elza Soares morreu hoje (20), em sua casa, de causas naturais, aos 91 anos de idade. Nessa mesma data, em 1983, morria o grande amor de Elza, o jogador de futebol Mané Garrincha. Ainda não há informações sobre o velório da artista.

Em comunicado divulgado no Facebook da cantora e assinado por assessores e familiares, a morte foi comunicada aos fãs:

“É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais. Ícone da música brasileira, considerada uma das maiores artistas do mundo, a cantora eleita como a Voz do Milênio teve uma vida apoteótica, intensa, que emocionou o mundo com sua voz, sua força e sua determinação. A amada e eterna Elza descansou, mas estará para sempre na história da música e em nossos corações e dos milhares fãs por todo mundo. Feita a vontade de Elza Soares, ela cantou até o fim”, conclui o comunicado.

Nascida no dia 23 de junho de 1930, no Rio de Janeiro, na favela da Moça Bonita, atualmente Vila Vintém, no bairro de Padre Miguel, zona norte da cidade, a menina Elza Gomes da Conceição veio de uma família humilde e ainda pequena mudou-se para um cortiço no bairro da Água Santa, onde foi criada.

Elza Soares começou a carreia artística fazendo um teste na Rádio Tupi, no programa “Calouros em desfile”, de Ary Barroso, e conquistou o primeiro lugar. Após o concurso ela fez um teste com o maestro Joaquim Naegli e foi contratada como crooner (cantor de orquestra ou conjunto musical) da Orquestra Garam de Bailes, onde trabalhou até 1954, quando engravidou. No ano seguinte, voltou a cantar na noite e em 1960 lançou seu primeiro disco, Se Acaso Você Chegasse e, em 1962, seu segundo LP, A Bossa Negra.

Em 1962, Elza fez apresentações como representante do Brasil na Copa do Mundo no Chile, onde conheceu Louis Armstrong (representante artístico dos Estados Unidos), que lhe propôs fazer carreira nos EUA. Neste mesmo ano ela conheceu Garrincha, com quem se casaria e teria um relacionamento conturbado.

Elsa Soares fez carreira no samba, mas também transitou do jazz ao hip hop, passando pela MPB, lançando 36 discos na carreira. Ela foi eleita, em 1999, pela Rádio BBC de Londres como a cantora brasileira do milênio. A escolha teve origem no projeto The Millennium Concerts, da rádio inglesa, criado para comemorar a chegada do ano 2000. Além disso, apareceu na lista das 100 maiores vozes da música brasileira elaborada pela revista Rolling Stone Brasil.

Publicidade

A cantora também ganhou diversos prêmios como três prêmios Grammy Latino e dois WME Awards e, em 2020, foi tema do enredo da Escola de Samba Mocidade Independente de Padre Miguel.

Continue Reading

Brasil e mundo

BBB, a pobreza amada

Publicado

on

Não sabia quem era Naiara Azevedo. Soube por alto, hoje, que é do BBB e já foi “cancelada por ser bolsonarista”, parece.

Digo que não a conheço não porque a menospreze. Realmente não sabia quem era; a rigor, continuo não sabendo. Devo estar fora de moda, apenas isso.

Até mesmo o termo “cancelar”, no sentido que vem sendo empregado (para gente), é recente para mim. Conhecia o termo “gelar”, que me parece, aliás, mais estimulante: figurativamente, significa embarcar uma pessoa em um trem e despachá-la para a Sibéria.

Respeito quem gosta do BBB. Pelo que divulgam, é muita gente, de todas as classes e níveis educacionais. Se há mercado, há de ter valor comercial e razão de ser.

Aparentemente os espectadores se veem na posição de cientistas. Podendo verificar as alterações do comportamento humano sob confinamento, como fazem, em gaiolas, com animais de laboratório.

Vi o primeiro programa mais ou menos. Talvez um pouco do segundo. Não me fisgou.

Publicidade

Realmente não me toca, não me acrescenta nem me diverte.

Continue Reading

Cultura e diversão

Histórias de dois fugitivos

Publicado

on

Nessa última virada de ano, me vieram às mãos dois livros escritos por moradores de Pelotas sobre gente de cidades vizinhas — Arroio Grande e Bagé. Por coincidência, os dois escribas são/foram jornalistas que trabalharam com o genial Aldyr Garcia Schlee (1934/2018): João Félix Soares Neto no Diário Popular na segunda metade dos anos 1950; Luiz Carlos Vaz na UFPel desde 1973; e ambos na fugaz aventura da Gazeta Pelotense, no último trimestre de 1976. E mais: quem os colocou lado a lado, esgrimindo autógrafos, em meados de dezembro, no Mercado Central de Pelotas, foi Alfredo Aquino, o artista plástico que há pouco mais de dez anos fundou uma minúscula editora (ardotempo) para reeditar todos os livros de AG Schlee – mais de uma dúzia.

Luiz Carlos e João Féliz

Sim, são muitas coincidências, mas a maior delas é que, nas duas obras recém-lançadas, os protagonistas centrais citados nos títulos dos livros – “A Forja de Salus” e “A História de Abel” — são dois gaúchos que se viram compelidos a fugir na calada da noite para não ter de pagar por atos reprováveis. Naturalmente, não cabe aqui entrar em detalhes sobre os mal feitos de cada um, exceto que os supostos criminosos sumiram para nunca mais. Registre-se que os dois livros têm capas fotográficas de ótima qualidade: a forja de João Félix é representada por uma bigorna iluminada por um facho de sol de inverno – obra de Marcelo Freda Soares; no caso de Abel, a foto tirada por Alfredo Aquino mostra o autor Luiz Carlos Vaz, de costas, espiando através de uma dos vidros bisotées das portas do lendário Theatro Esperança, de Jaguarão. Espiando o quê? O passado, com certeza.

“A Forja de Salus” é uma narrativa romanceada sobre fatos ocorridos em Sanga Rasa, o pitoresco nome ficcional de Arroio Grande, a terra natal de João Félix, que saiu dali aos 18 anos para fazer o serviço em Pelotas, de onde nunca mais saiu. A história é inspirada em acontecimentos vivenciados na meninice do autor, mas não se resume a um desfiar de lembranças sobre o ferreiro Salustiano, morador dos fundos da oficina onde trabalhava, numa esquina “escaldada pelo sol, fustigada pelo vento, guasqueada pelo chuva”. Essa linguagem rebuscada aparece logo na primeira página e segue em tom de fábula até o ponto na página 157.

Há por trás da forja de João Félix um rico elenco de personagens que sustenta o tom da novela. Os acontecimentos são “reais ou assim interpretados” ou, seja, o autor não inventa; apenas dá um jeito de apresentar a realidade de uma forma não tão crua, como já fizera em seus dois livros de contos, ambos prefaciados por AG Schlee, que sempre o incentivou a explorar ficcionalmente as histórias de sua infância. “A Forja de Salus” faz jus ao incentivo do amigo-colega:  é de cabo a rabo um livro primoroso, uma prosa muito boa, ambientada nos anos 40/50, pouco mais ou menos. E quem o prefacia é ninguém menos do que o fotojornalista Luiz Carlos Vaz, considerado em Pelotas e adjacências o mais fiel escudeiro do quixotesco profescritor Aldyr Garcia Schlee.

“A História de Abel” é um conjunto de crônicas sobre fatos e pessoas de Bagé. São narrativas extraídas de memórias de membros da família Vaz, começando no início do século XX e chegando mais ou menos na entrada dos 1970, quando o autor do livro decide migrar para Pelotas, onde está até hoje. Segundo Vaz, as crônicas foram escritas como registro simples, para rodar de mão em mão no âmbito familiar, mas o calhamaço caiu nas mãos do editor Alfredo Aquino e deu no que deu. O Abel do título é um remoto parente de Vaz que na virada do século XX fugiu para o Uruguai para não ter de casar com uma certa moça vizinha que havia seduzido. Com apenas seis páginas, a história tem vocação cinematográfica. As demais 44 crônicas honram o gênero: são breves, claras e temperadas pelo senso de humor do autor, que ilustrou algumas histórias com fotos tiradas de um baú intemporal – de seu arquivo, aliás, saíram as fotos que ilustram ricamente o livro “Fifty-Fifty”, com poemas de Maria Alice Estrella (Ardotempo 2016). Todas as narrativas de Vaz contêm algo do gatam o encanto imemorial das cidades do interior. Falam, por exemplo, de ruas que não existem mais, como a rubembragueana crônica “Rua das Laranjeiras, 183”, primitivo endereço residencial do autor, que desvela aqui muitas lembranças autênticas e, eventualmente, alguns exageros sinceros, estes sempre defendidos com sua frase-de-plantão: “Eu minto muito, mas sempre mostro a prova”.

Continue Reading



Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em alta