O crime super organizado

Montserrat Martins*

A ousadia dos bandidos em Criciúma corresponde a uma outra categoria, mais que “crime organizado” é um crime “super organizado”, a ponto da Polícia nesses primeiros dias não ter sequer identificado os autores, fazendo apenas cogitações.

Além da agressividade foram meticulosos e com planejamento de longo prazo, com caminhões roubados há tempos em outros estados, denotando ser uma quadrilha ou facção que atua em todo o país.

A “super-profissionalização” do crime é sintoma de nossa época, que requer uma resposta extremamente organizada da sociedade também.

A população demanda por isso, basta ver a quantidade de candidatos esse ano, inclusive a Prefeitos, que tinham o nome de “Delegado X” ou “Capítão Y”, como o Delegado Pazolini que venceu em Vitória e o Delegado Eguchi que quase venceu em Belém, o Capitão Nelson que venceu em São Gonçalo e o Capitão Wagner que por pouco não venceu em Fortaleza. A Delegada Danielle chegou ao segundo turno em Aracaju.

Isso expressa o desejo da população por segurança e explica também porque a maioria dos eleitos são de partidos de direita, que assumem a segurança como uma bandeira. Isso não foi sempre assim, mas é um fenômeno crescente, que aumenta na mesma proporção da ousadia dos bandidos. Décadas atrás se ressaltava que o importante é a prevenção, a educação, a inclusão social.

O Brasil teve governo de esquerda por uma década e meia, durante a qual foi apregoada a inclusão social de milhões de pessoas “tiradas da faixa da miséria”, mas os números da criminalidade não diminuíram, seguiram aumentando, chegando a cerca de 50 mil mortos por ano.

A percepção popular parece ter mudado, então, da ideia de mudar os fatores sociais para a ideia de aumentar a repressão ao crime, pois os eleitores passaram a se sentir representados por políticos com esse discurso. Tudo indica que a Segurança seguirá no centro das demandas populares e a ousadia dos bandidos de Criciúma é prenúncio disso, só não vê quem não quer.

Montserrat Martins é médico psiquiatra

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.