Aliança Pelotas sobre decreto: “Setor produtivo não pode pagar a conta outra vez”

Aliança Pelotas, que congrega lideranças empresariais, divulgou há pouco o texto abaixo:

“O SEGMENTO PRODUTIVO NÃO PODE PAGAR A CONTA MAIS UMA VEZ”: ALIANÇA PELOTAS REPUDIA DECRETO RESTRITIVO

Membros representantes das dez entidades de classe dos segmentos produtivos locais que integram a Aliança Pelotas estão promovendo reuniões desde o fim da tarde de ontem (8) para buscar alternativas que mitiguem os efeitos do decreto restritivo anunciado pela prefeita Paula Mascarenhas (PSDB), prevendo o cerceamento das atividades comerciais e liberdade econômica.

O grupo discorda da decisão e critica a imposição das duras medidas, alegando que o Comitê de Enfrentamento Municipal à Pandemia, um fórum de debates com a participação de todos os agentes públicos e privados envolvidos no tema, não teve a oportunidade de participar das discussões que levaram à promulgação do decreto.

“Entendemos que as medidas não vão trazer efeito suficiente no número de casos confirmados. No entanto, trarão graves consequências para a economia que vem sendo afetada em nosso município. Não há qualquer outro lugar no Estado, senão no País, que se esteja tomando medidas tão drásticas de cerceamento à atividade produtiva. Isso mostra, na conduta de outros gestores públicos, que o dito lockdown não traz os resultados esperados para solucionar a saúde, apenas agrava a situação econômica e social”, defendeu o coordenador da Aliança, Fabrício Iribarrem.

O coordenador ainda mencionou que a época do ano é a mais promissora para o setor produtivo, quando se esperava recuperar um pouco das perdas e lembrou que foi justamente nas atividades comerciais onde se viu os protocolos implantados com mais veemência e, agora, será a mais punida.

Ao classificar como negativa posição do Executivo, o grupo de empresários elenca os graves efeitos psicológicos impostos à população já desgastada e no limiar da capacidade de absorver tamanhas incertezas e determinações que estão sendo modificadas a cada dia.

“Há pouco tempo atrás todos fomos convocados a sairmos às ruas para votar, em dois turnos. Agora sequer é possível comprar bens no comércio ou desfrutar de forma isolada e segura de parques e espaços públicos”, disse o assessor jurídico da Aliança, Guilherme Moncks.

O tema eleições, inclusive, é recorrente nos debates e vem sendo fortemente vinculado ao aumento de casos confirmados com a doença no município. A unanimidade dos representantes lamenta a forma inadequada como os políticos pelotenses cumpriram os protocolos sanitários, gerando aglomerações para as atividades de campanha e desprezando o uso dos equipamentos de segurança, como máscara e álcool gel, segundo eles, fortemente fiscalizados nos estabelecimentos comerciais de Pelotas.

“Nós não geramos esse agravamento do quadro. Não temos a mínima participação nestas ações que promoveram o vírus. Mas, agora, esse ônus veio parar dentro das nossas empresas e com uma conta pesada a ser saudada, sob pena de multas e ameaças. É lamentável”, disse o presidente do Cipel, Amadeu Fernandes.

A Aliança defende, no entanto, uma nova postura dos gestores municipais, como aumento dos horários de funcionamento em comércios e restaurantes e mais equilíbrio para contornar a situação de lotação nos hospitais. A administração do número de leitos, no entendimento do grupo, deve ser feita com base na totalidade disponível na região e no Estado e não somente levando-se em conta os leitos exclusivos Covid ou aqueles fechados há pouco tempo. Ainda, a imediata retomada dos números de UTIs que estavam em funcionamento anteriormente, as quais, conforme a Aliança, jamais deveriam ter sido desestruturadas, o que acabou por mais uma vez comprometer o atendimento a sociedade.

A adoção do protocolo de manejo preventivo da Covid na atenção primária, como forma de desagravar os casos dos pacientes, também é defendida pelo grupo.

3 thoughts on “Aliança Pelotas sobre decreto: “Setor produtivo não pode pagar a conta outra vez”

  1. Acho que o decreto esqueceu de um item. O futebol. Teremos jogo do Campeonato Brasileiro, com time vindo de outro estado. Ainda dá tempo para corrigir.

  2. Lamentável tamanha ganância dos setores produtivos de Pelotas. No dia em que houve recordes de infecções confirmadas (439) e de mortes (7), soltam tal nota. E ainda dizem que seus setores não ajudam na propagação do vírus. A história vai contar quem teve culpa sobre os terrores que aconteceram durante a pandemia, e não pensem ques ficarão de fora.

Deixe uma resposta para Wagner Britto Cancelar resposta