Connect with us
https://www.mvpthemes.com/zoxnews/wp-content/uploads/2017/07/zox-leader.png

Cultura & entretenimento

MANK, a história do roteirista de Cidadão Kane e sua disputa com Orson Welles

Publicado

on

Mank acompanha a história do roteirista Herman J. Mankiewicz (Gary Oldman), responsável por Cidadão Kane (1941), e sua disputa com Orson Welles pelo crédito do roteiro do filme.

Mank

Dirigido por David Fincher para a Netflix, o longa é uma das obras mais intimistas e autorais do diretor. Isso porque o roteiro foi escrito por seu pai, Jack Fincher, que o desenvolveu junto com o filho durante muitos anos. Ao explorar a reconexão com o passado do protagonista, o filme analisa os relacionamentos que o inspiraram a escrever, ilustrando o cenário político-social da década de 30, além, claro, na busca do autor por aprovação e perfeição.  

Herman Mankiewicz, ou simplesmente Mank, foi roteirista creditado por Cidadão Kane, e vencedor do Oscar de roteiro original ao lado de Welles, mas que se absteve do reconhecimento em diversos filmes, como O Mágico de Oz. Vemos também personagens importantes para a criação de Cidadão Kane, como o diretor Orson Welles (Tom Burke), o empresário e dono do estúdio MGM Louis B. Mayer (Arliss Howard), o magnata da mídia William Hearst (Charles Dance) e Marion Davies (Amanda Seyfried), uma das grandes atrizes de Hollywood na época, que levou o roteirista à rivalidade com Hearst, seu marido. (Marion, aliás, seria a verdadeira “Rosebud”). A polêmica de Hearst e Mank resulta em uma das melhores cenas do filme, em um monólogo do protagonista bêbado em um jantar. A outra controvérsia é referente ao próprio roteiro de Cidadão Kane, já que o diretor sempre falou que escreveu o texto em conjunto com Mank. Porém, o filme de Fincher foca inteiramente no processo em que apenas o protagonista o desenvolve, na companhia de sua secretária e datilógrafa Rita Alexander (Lily Collins).  

Através de uma narrativa não linear, o filme torna-se cansativo após sua longa duração de mais de 2 horas. A produção dá mais destaque para a Era de Ouro de Hollywood do que para a jornada de Mankiewicz e, para isso, David Fincher procurou criar a mesma estética cinematográfica. O longa foi filmado em câmeras digitais, mas as cenas foram tratadas para parecerem uma película envelhecida, com tudo filmado em preto e branco, e até os créditos mostram como o diretor trouxe toda a linguagem audiovisual dos filmes dos anos 30 e 40. Além disso, a trilha sonora de Trent Reznor e Atticus Ross foi criada utilizando apenas os instrumentos musicais que estavam disponíveis na época.  

O sempre fantástico Gary Oldman tem tudo para conquistar sua terceira indicação ao Oscar ao viver um personagem adúltero, alcóolatra e inconsequente. Por meio de flashbacks e do período em que está escrevendo o roteiro, o filme leva o espectador a conhecer a trajetória pessoal e profissional de um homem genial e cheio de defeitos. Quem também deverá receber uma indicação ao Oscar é Amanda Seyfried, que se destaca como Marion Davies, distribuindo carisma em cena.  

Em seu final, a sensação que fica é de que algo está faltando, principalmente com o personagem principal. É um filme que falha ao explorar o seu próprio personagem-título, carecendo de consistência entre relatar fatos de sua vida e as inspirações que o levaram a escrever uma das obras-primas do cinema. O longa acerta ao mostrar o cenário de Hollywood da época, mas como estudo de personagem, falta densidade e complexidade. O filme ainda discute visões políticas, inserindo paralelos atuais na disputa entre republicanos e democratas, e até mesmo entre socialismo e comunismo.  

Tecnicamente brilhante, Mank é um tributo à Era de Ouro de Hollywood. Um filme que exala beleza, e ao mesmo tempo que mostra menos do que deveria da jornada de seu protagonista, coloca os devidos holofotes em quem sempre esteve na sombra, negado de seu maior feito.

Déborah Schmidt é formada em administração de empresas e servidora

Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.

Cultura & entretenimento

O tema da vida

Publicado

on

“Não precisei ir aos livros para saber que o tema da vida é conflito e dor. Instintivamente, todas as minhas bufonadas se baseavam nisso: colocar as criaturas em dificuldades e fazê-las sair delas”.

Charles Chaplin.

Chaplin em Ombro, Armas

Continue Reading

Cultura & entretenimento

Baldwin foi informado de que arma era segura

Publicado

on

A arma com que Alec Baldwin matou Halina Hutchins, diretora do filme Hust, rodado em Santa Fé, nos EUA, foi entregue a ele por um assistente de direção.

O homem teria dito que a pistola era segura, segundo a polícia.

O diretor assistente Dave Halls não sabia que a arma tinha munição de verdade e afirmou que ela não estava carregada gritando “arma fria”, segundo o documento judicial.

PUBLICIDADE

Continue Reading

Cultura & entretenimento

Gel de garrafa térmica

Publicado

on

Estamos vivendo mesmo tempos difíceis.

Outro dia, em um vídeo do Reels, uma pessoa, no balcão de uma mercearia, tentou espremer gel higienizador da covid de uma garrafa térmica.

Enganou-se de recipiente, ardeu nas mãos.

Tem que ter resiliência de Kung Fu.

PUBLICIDADE

Clique aqui para um tour pela Escola Mario Quintana

https://marioquintana.com.br/tourvirtual/

Continue Reading

Em alta