Connect with us

Pelotas e RS

ADUFPel: “Em que pese nosso respeito à professora nomeada, a escolha foi outra”

Publicado

on

O texto abaixo foi enviado pela Associação dos Docentes da UFPel (Adufpel):

Em mais um ato antidemocrático, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decretou a nomeação da professora Isabela Fernandes Andrade, segundo lugar na lista tríplice, como reitora da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). A decisão foi publicada na madrugada desta quarta-feira (06), no Diário Oficial da União (DOU)

Isabela fez parte da chapa “UFPel Diversa” juntamente ao candidato a reitor, Paulo Roberto Ferreira Júnior. A chapa foi vencedora do processo de Consulta Informal com 56,5% dos votos. Ela disputou o segundo turno contra a chapa 2 “UFPel Mais”, do professor Fábio Cerqueira, que obteve 43,5% dos votos.

Ambos os nomes integraram a lista tríplice, referendada pelo Conselho Universitário (Consun) da UFPel no dia 19 de outubro. Em primeiro lugar ficou Paulo, que recebeu 56 votos dos conselheiros, seguido de Isabela, que obteve 6 votos, e de Eraldo, com 2 votos. Todos compunham a chapa “UFPel Diversa”.  

Isabela é professora da instituição desde 2013 e ocupa, atualmente, o cargo de diretora do Centro de Engenharias (CEng). A docente é formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel) e possui mestrado e doutorado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 

Paulo é docente do Centro de Desenvolvimento Tecnológico da UFPel desde 2009. Possui Doutorado em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Mestrado na mesma área pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Posicionamentos 

Publicidade

Para a presidente da ADUFPel, Celeste Pereira, a ação do governo fere a autonomia universitária, e defende a nomeação de Paulo Ferreira. “Vemos com indignação o desrespeito à escolha da comunidade acadêmica. Em que pese nosso respeito à professora nomeada, a escolha foi outra. Entendemos que o reitor eleito tem que ser nomeado”. 

A Assessoria de Imprensa da ADUFPel entrou em contato com Paulo Ferreira, que preferiu se posicionar através de nota conjunta. No entanto, afirmou que será convocada, para a tarde desta quarta-feira, uma reunião com as entidades representativas dos três segmentos da UFPel (ADUFPel-SSind, ASUFPel-Sindicato e DCE). 

A atual gestão – “Uma UFPel Diferente” –  e a chapa eleita –  “UFPel Diversa” – divulgaram uma nota em que repudiam a não nomeação do professor Paulo, eleito de forma democrática. Conforme salientam, irão tomar medidas jurídicas e políticas para a reversão da situação, a qual consideram como vergonhosa.  

“Respeitar a vontade da comunidade é um pressuposto da democracia. Infelizmente, num Governo Federal cujo líder faz apologia a torturadores, nega o racismo, é condenado por ofensas contra mulheres e prega a não vacinação da população, não é surpresa que sejamos golpeados em nossa democracia e autonomia”. 

Antes do decreto, em 21 de dezembro, a Comissão da Consulta Informal (COE) para escolha de reitor(a) e vice-reitor(a) da UFPel (Gestão 2021-2024), havia publicado uma nota em que reafirma somente aceitar a nomeação do primeiro colocado, fruto da escolha da comunidade. Sendo assim, para ela, “qualquer outro resultado implicará resistência e luta da comunidade universitária da UFPel”. 

A Consulta Informal 

O processo de Consulta Informal à comunidade acadêmica foi organizado de forma paritária e democrática pela Comissão da Consulta Informal (COE) e conduzido pela Junta da Consulta Informal (JCI), ambas compostas pelas três entidades. A disputa ocorreu em dois turnos, entre quatro chapas: Chapa 1 – UFPel Diversa, Chapa 2 – UFPel Mais, Chapa 3 – Tô Contigo UFPel e Chapa 4 – UFPel Raiz. 

Tentativas de enfraquecimento do processo democrático

Publicidade

A escolha de reitores de universidades e institutos consiste em consulta à comunidade. O que a diferencia de um processo de eleição normal é que seu resultado final não garante automaticamente que o vencedor será empossado.

O Conselho Universitário – instância máxima de deliberação dentro da universidade – elabora uma lista com três nomes, a chamada lista tríplice, e a encaminha ao Ministério da Educação (MEC). Após protocolada pelo MEC, o presidente da República pode nomear o novo reitor por meio de um decreto presidencial.

Em 2019, dispondo de artifícios legais, o presidente Jair Bolsonaro não respeitou as decisões das comunidades acadêmicas em pelo menos seis das doze nomeações que fez. E, através de duas Medidas Provisórias (MPs), buscou intervir na autonomia das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES). 

A primeira tentativa não prosperou. Em dezembro de 2019, o governo tentou mudar as regras para escolha de reitores ao editar a MP 914/19. O texto, que perdeu validade em 2 junho de 2020 por falta de apreciação do Congresso, estabelecia como obrigatória a realização de consulta à comunidade acadêmica para a formação da lista tríplice para o cargo de reitor por votação direta, preferencialmente eletrônica.

Tal consulta não poderia ser feita com voto paritário ou universal e obrigatoriamente deveria ser realizada com peso de 70% no voto docente, 15% no do técnico-administrativo e 15% para o voto dos estudantes. A mesma regra seria imposta aos Institutos Federais.

Logo em seguida, em 9 de junho, governo federal publicou a MP 979/20, que dava poder ao então ministro da Educação, Abraham Weintraub, para intervenção na escolha de reitores de universidades e institutos federais, utilizando como justificativa o período de emergência de saúde pública gerado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

A tentativa do governo, assim como a anterior, não foi bem sucedida. O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM), decidiu, em 12 de junho, devolver ao governo a Medida Provisória, pois, segundo ele, violava os princípios da Constituição Federal que tratam da autonomia e da gestão democrática das universidades.

STF contra as intervenções

Publicidade

Em outubro, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que Jair Bolsonaro deve respeitar a lista tríplice enviada pelas universidades para a escolha de seus reitores. A decisão é um desdobramento de Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) movida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que acusa Bolsonaro de nomear reitores sem considerar as listas, violando a autonomia universitária. 

Outras tramitações

Além da ADPF, tramita no Supremo a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 6565), assinada pelo Partido Verde (PV), que questiona o excesso de poder de Jair Bolsonaro nas últimas nomeações para a reitoria das universidades e institutos federais. O ministro Fachin também é relator da matéria, que já havia conquistado quatro votos contrários à intervenção, mas foi retirada da pauta do Plenário Virtual após pedido de destaque do ministro Gilmar Mendes, no último dia 15 de outubro.

Intervenções aumentam

Atualmente, 20 IFES estão sob intervenção do governo Bolsonaro, apesar de seus representantes terem sido eleitos legitimamente por suas comunidades acadêmicas.

Por meio do MEC, o presidente da República tem indicado, desde o ano passado, interventores para as reitorias das instituições, seja de nomes que não estavam em primeiro lugar na lista tríplice ou de pessoas que sequer participaram do processo de escolha nas instituições.

Historicamente, o ANDES-SN luta em defesa da autonomia universitária, prevista no artigo nº 207 da Constituição Federal, e pelo fim da lista tríplice enviada ao Ministério da Educação e ao presidente da República para confirmação da nomeação. Para o Sindicato Nacional, o processo de decisão sobre a escolha de reitores deve ser iniciado e concluído no âmbito de cada instituição de ensino.

Publicidade
Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor.

Especial

A câmera escondida na Secretaria de Trânsito

Publicado

on

“A gente morre e não vê tudo”. Pelo visto, o servidor da Secretaria de Transporte e Trânsito que instalou uma câmera escondida em um banheiro da repartição decidiu reformar o ditado.

Como o recinto é unissex, o voyeur gravou mulheres e homens. Ele foi afastado das funções; os efeitos de seu ato, não. Mais difícil de desinstalar, a paranoia tomou assento, e não só na STT.

A vigilância íntima era restrita a um banheiro ou disseminada pela Administração pelotense? É de supor que, em toda a prefeitura, venham tendo pensamentos persecutórios.

A literatura policial diz que o criminoso sempre volta ao local do crime. No caso, pior: as vítimas também voltavam, há quanto tempo não se sabe ainda. Maldito seja o misterioso por transformar um lugar de alívio num foco de tensão.

O assunto tem sido tratado com sigilo. Mas provavelmente a Segurança está fazendo uma varredura geral, não apenas nos banheiros, mas também nos gabinetes.

Será que, além de outras câmeras espalhadas por aí, não haverá escutas também? Será que o arquivo morto na verdade está vivo? Aquele ponto preto na parede é só uma mosca? Qual seria exatamente a intenção do voyeur? Satisfazer desejos sexuais? vender as imagens? Usá-las para constranger pessoas e subir na hierarquia? Chantagem? Chantagem política? Nessa hora, os pensamentos disparam em todas as direções.

Um filme com Gene Hackman, chamado A Conversação, leva ao extremo a paranoia quando ela se instala. À procura de grampos, literalmente ele destrói seu apartamento. No fim, senta num canto e toca saxofone.

Publicidade

Como um programa de varredura e distribuição de saxofones aos funcionário seria surreal na administração pública, o provável é que o pessoal da Segurança apenas redobre seus cuidados regulares, se é que a paranoia não está fazendo suspeitar da própria Segurança.

* Especula-se que as imagens circulem há algum tempo, em alguns ambientes (não pergunte quais). Para piorar, especulam que o voyeur fazia gravações há vários anos, pelo menos desde 2018.

Continue Reading

Cultura e diversão

Em livro, Mateus Bandeira conta sua ‘aventura’ como candidato a governador do RS, em 2018

Publicado

on

Mateus Bandeira escreveu um livro sobre sua participação na campanha ao governo do Rio Grande do Sul, em 2018, pelo Novo. O trabalho, iniciado há dois anos, está concluído. Chama-se Quem roubou nossa coragem, publicado na Esquina do Lombas, doo editor Vitor Bertini. O lançamento está marcado para o próximo dia 25 deste agosto, em Porto Alegre. Mateus pretende fazer um lançamento do livro em Pelotas, em data a ser divulgada. Em breve estará disponível na Amazon.

MB é conselheiro de administração e consultor de empresas. Foi CEO da Falconi, presidente do Banrisul e secretário de Planejamento e Gestão do Rio Grande do Sul.

Mateus (na foto superior, com Winston Ling, apoiador de sua campanha) explica o que o levou realizar o trabalho:

“Resolvi escrever sobre a minha “aventura” de 2018, como candidato a governador do RS. Para quem não era político, encarei o desafio como um sabático e o aprendizado foi enorme. Por isso, resolvi registrar. É um testemunho de quem veio de fora da política e colocou a mão na massa pra defender os valores e princípios de liberdade, de uma sociedade de livre mercado. Espero que essa história possa inspirar outras pessoas – seja considerando uma candidatura, seja compreendendo que há um papel importante a ser desempenhado apoiando candidatos, financiando candidatos que não usam fundos partidário e eleitoral. Divulgar esse livro será, também, a minha forma de ‘fazer política’ neste ano”.

Continue Reading

Pelotas e RS

Projeto de extensão do IFSul promove aulas preparatórias para o Enem

Publicado

on

Um projeto do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) tem proporcionado uma preparação específica para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O Cursinho Popular Raízes, do câmpus Camaquã, que é voltado a pessoas que estão estudando para a prova, teve início na última quarta-feira (3), no auditório do câmpus, e contou com a participação de 110 estudantes da cidade e da região.

>> Clique aqui para acessar as aulas transmitidas pelo canal do projeto

Acompanhe – Além das atividades presenciais realizadas às quartas-feiras, o cursinho também promove aulas virtuais nas quintas-feiras, às 19h, que podem ser acompanhadas pelas pessoas interessadas por meio do canal do projeto no Youtube. As inscrições para a turma presencial já estão encerradas.

As aulas do cursinho são ministradas por educadoras e educadores do instituto, estudantes universitários, educadoras/es da rede estadual que se voluntariaram e egressas/os do câmpus que hoje são mestrandas/os e doutorandas/os.

As atividades do projeto seguem até o dia 20 de novembro, data que antecede a última prova do Enem.

Continue Reading
Brasil e mundo4 dias atrás

Prazo para pedir voto em trânsito termina na próxima quinta-feira

Eleições 20227 dias atrás

A carta de filiação que leu Pedro Hallal em sua filiação ao PT

Cultura e diversão5 dias atrás

Em livro, Mateus Bandeira conta sua ‘aventura’ como candidato a governador do RS, em 2018

Pelotas e RS1 semana atrás

Hallal se filia ao PT nesta quarta

Pelotas e RS6 dias atrás

Projeto de extensão do IFSul promove aulas preparatórias para o Enem

Brasil e mundo6 dias atrás

Petrobras reduz preços de venda de diesel para as distribuidoras

Especial7 dias atrás

Pais necessários

Brasil e mundo6 dias atrás

Conab estima safra de grãos em 271,4 milhões de toneladas em 2021/22

Brasil e mundo1 semana atrás

O tempo de tevê dos presidenciáveis

Brasil e mundo7 dias atrás

Revogado decreto que regulamenta profissão de corretor de imóveis

Especial2 dias atrás

A câmera escondida na Secretaria de Trânsito

Brasil e mundo22 horas atrás

Campanha eleitoral começa hoje nas ruas do país

Cultura e diversão4 dias atrás

Um dia engraçado

Brasil e mundo1 semana atrás

Dólar cai para R$ 5,11 e fecha no menor nível em sete semanas

Pandemia1 semana atrás

Mutirão de vacinação nas escolas será a partir de quarta-feira

Brasil e mundo1 dia atrás

Petrobras anuncia redução de R$ 0,18 na gasolina para distribuidoras

Brasil e mundo1 semana atrás

MEC divulga hoje resultado da 1ª chamada do ProUni 2022/2

Brasil e mundo1 semana atrás

Auxílio Brasil de R$ 600 começa a ser pago nesta terça-feira

Brasil e mundo22 horas atrás

Campanha eleitoral começa hoje nas ruas do país

Brasil e mundo1 dia atrás

Petrobras anuncia redução de R$ 0,18 na gasolina para distribuidoras

Especial2 dias atrás

A câmera escondida na Secretaria de Trânsito

Brasil e mundo4 dias atrás

Prazo para pedir voto em trânsito termina na próxima quinta-feira

Cultura e diversão4 dias atrás

Um dia engraçado

Cultura e diversão5 dias atrás

Em livro, Mateus Bandeira conta sua ‘aventura’ como candidato a governador do RS, em 2018

Pelotas e RS6 dias atrás

Projeto de extensão do IFSul promove aulas preparatórias para o Enem

Brasil e mundo6 dias atrás

Petrobras reduz preços de venda de diesel para as distribuidoras

Brasil e mundo6 dias atrás

Conab estima safra de grãos em 271,4 milhões de toneladas em 2021/22

Especial7 dias atrás

Pais necessários

Eleições 20227 dias atrás

A carta de filiação que leu Pedro Hallal em sua filiação ao PT

Brasil e mundo7 dias atrás

Revogado decreto que regulamenta profissão de corretor de imóveis

Pelotas e RS1 semana atrás

Hallal se filia ao PT nesta quarta

Brasil e mundo1 semana atrás

MEC divulga hoje resultado da 1ª chamada do ProUni 2022/2

Pandemia1 semana atrás

Mutirão de vacinação nas escolas será a partir de quarta-feira

Brasil e mundo1 semana atrás

O tempo de tevê dos presidenciáveis

Brasil e mundo1 semana atrás

Auxílio Brasil de R$ 600 começa a ser pago nesta terça-feira

Brasil e mundo1 semana atrás

Dólar cai para R$ 5,11 e fecha no menor nível em sete semanas

Cultura e diversão2 semanas atrás

O TELEFONE PRETO. (Por Déborah Schmidt)

Brasil e mundo2 semanas atrás

Câmara aprova projeto que cria norma geral para concursos públicos

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em alta