Relato de um sobrevivente do Covid

Por Geraldo Hasse, jornalista |

O livro NÃO ABRIR OS OLHOS (Edições ARdoTEmpo, 2020) é um relato sofrido do artista plástico Alfredo Aquino sobre sua experiência como vítima do coronavírus, supostamente contraído durante um evento social a que compareceram diversas pessoas numa noite de agosto passado em Porto Alegre.

Mesmo tendo se resguardado perto da lareira, o pintor demorou a ir embora e ficou exposto a contatos fortuitos. Deu mole, enfim… Os sintomas apareceram depois de alguns dias. Feitos os testes, ele precisou ser internado num hospital de Porto Alegre, do qual saiu, dias depois, grato à equipe médica e revoltado com o desmazelo das autoridades em geral diante da doença mais mortal desde o surgimento da Aids.

Com 90 páginas, o livro tem passagens impactantes, a começar pelo  acompanhamento da evolução do estado do seu companheiro de quarto no hospital. No primeiro dia, os dois possuíam idênticos sinais vitais, mas logo o outro mergulhou num estado de inconsciência do qual não saiu mais. Nos dias seguintes, sua piora exigiu novos cuidados e avaliações frequentes da equipe médica. A seguir, foi levado para a UTI e, por fim, lá pelo quarto ou quinto dia, veio a informação de que ele havia morrido, mesmo tendo sido socorrido pelo respirador mecânico.

Após ver seu espelho partir, o artista ficou solito em seu quarto, sem receber visitas senão de integrantes da equipe do hospital. Decidiu manter-se quieto o máximo do tempo para não perder energia com distrações deletérias. Vem daí o título do livro: trata-se de uma referência a seu próprio estado físico – de olhos fechados – mas serve também como metáfora sobre o comportamento das autoridades políticas diante da gravidade da situação.

Sem abrir os olhos mas com a sensibilidade exacerbada pela luta para sobreviver, Aquino entra no melhor do seu relato. Aprofunda-se em algumas reflexões sobre o tremendo risco de morrer sozinho num quarto de hospital. Conclui que a Morte joga cara x coroa com a vida das pessoas, levando uns embora imediatamente e deixando outros para mais tarde. O momento é oportuno para um balanço de vida: segundo Aquino, cada um vai fazendo escolhas que representam “bifurcações”, algumas benfazejas, outras nefastas. Numa divagação próxima do delírio, recorda amigos escritores que a seu ver mereceriam ter ganho o Nobel de Literatura, entre eles o gaúcho Aldyr Garcia Schlee, o poeta maranhense Ferreira Gullar e o paulista Ignacio de Loyola Brandão, seu amigo dos tempos de São Paulo.

O registro é impactante pelo ineditismo e, também, pela descoberta de que, mesmo isolado, um doente pode ser alcançado pela solidariedade de um amigo médico distante que lhe pede informações e dá orientações por vias digitais. Quem o conhece sabe que a mão amistosa é de um psiquiatra de Pelotas.

Narrativa tão pungente pode ser útil às pessoas em geral e, particularmente, para jovens estudantes que desdenham da virulência do coronavirus. É notório que Aquino fez um esforço insano para vencer o vírus na solidão do isolamento e ao mesmo tempo sair do hospital com o rascunho de uma memória sobre a própria internação. Depois, enquanto se recuperava das sequelas da doença – exaustão e vertigens, entre outros sintomas –, ele praticou por semanas um dos atos mais solitários da vida humana: escrever. Coisa que conhecia indiretamente por força de seu ofício como editor.

Alfredo Aquino

Nascido em 1953 em Porto Alegre, Aquino é formado em arquitetura mas passou boa parte da vida profissional em São Paulo, onde sobreviveu como publicitário e capista de livros da Editora Brasiliense e do Circulo do Livro. Explorando sua habilidade para pintar, em 1978 fez uma pioneira exposição crítica à ditadura militar no Museu de Arte de São Paulo. A partir daí, passou a vender quadros no eixo Rio-São Paulo e abriu um surpreendente nicho de mercado na França, onde expõe com frequência.

De volta ao Rio Grande do Sul no início do século XXI, estreou como editor independente ao criar a ArdoTempo com o objetivo de lançar em 2010 Os Limites do Impossível – Contos Gardelianos de Aldyr Garcia Schlee, livro que vendeu 400 exemplares na noite de lançamento em Pelotas e abriu caminho para a luxuosa edição em capa dura de Don Frutos (550 páginas, 2011), romance biográfico sobre Fructuoso Rivera, o caudilho colorado do Uruguai.

Animado com o sucesso de crítica e público, Aquino relançou uma dezena de livros de contos de Schlee, que faleceu em 15/11/2018 aos 84 anos. Depois, a Ardotempo publicou livros de outros autores como a poeta Maria Carpi, a escritora Mariana Ianelli, o poeta Pedro Gonzaga, o médico-cronista Paulo Rosa e o jornalista/cronjista/romancista Ignacio de Loyola Brandão.

Mesmo sem estourar nas bancas com seus lançamentos, Aquino vinha otimista quando a pandemia lhe roubou a esperança em dias melhores, deixando marcas profundas no corpo e na alma.

Mais enquadrável como novela do que como romance, seu livro é uma narrativa instrutiva sobre os efeitos do vírus mais devastador do século XXI.

Se a ciência, a educação e o ensino não estivessem passando por um momento tão constrangedor no Brasil, “Não Abrir os Olhos” seria candidato certo à leitura em escolas para uma tomada de consciência sobre os estragos provocados pelo vírus e o estigma deixado por moléstia tão maligna quanto a tuberculose, o câncer e a Aids.

Dadas as restrições às atividades comerciais, o livro está sendo vendido pelo site da Ardotempo. A R$ 40 por exemplar, a receita obtida será doada a um hospital de atendimento ao Covid. Aquino não apostou numa grande tiragem, até porque é mais artista do que empresário. Como costuma fazer ao editar livros de autores de sua estima pessoal, ele custeia as despesas gráficas com o que consegue amealhar vendendo quadros – bem cotados no Brasil, melhor avaliados na França. Não acredita que o livro seja um sucesso de vendas a ponto de merecer uma segunda edição, mas arremata: “Se este livro evitar algumas contaminações e uma morte por Covid, terá valido a pena tê-lo escrito, editado, publicado e distribuído”.

Geraldo Hasse, jornalista

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.