Connect with us
https://www.mvpthemes.com/zoxnews/wp-content/uploads/2017/07/zox-leader.png

Brasil & Mundo

O que muda no mundo

Published

on

Montserrat Martins. médico psiquiatra |

A questão do momento é o que muda no mundo com a posse de Joe Biden nos Estados Unidos, o país ainda mais poderoso do planeta. Uma das primeiras medidas foi voltar ao Acordo do Clima de Paris, com o qual Trump havia rompido. O que isso significa na prática, vamos examinar.

Joe Biden e Lady Jill Biden (Photo by Win McNamee / POOL / AFP)

Estados Unidos e China são os dois maiores poluidores do planeta, o que mostra que poluição não tem ideologia, assim como vírus, afeta a todos. Cientistas de todo o mundo estudam o clima do planeta, que cada vez tem maior amplitude térmica (verões mais quentes, invernos mais frios) e mais acidentes climáticos, como os furacões.

Dos brasileiros o maior expoente foi José Lutzenberger, que há 50 anos já explicava que a Amazônia “não é o pulmão do planeta, é o ar condicionado do planeta”. O desmatamento, associado à poluição, pois a concentração de carbono na atmosfera fragiliza a proteção que nossa atmosfera nos dá contra essas variações extremas do clima.

Obama foi o primeiro Presidente americano a levar a sério o problema e chegou a conseguir acordos inéditos com a China a respeito, abandonados depois por Trump. O impacto desses dois países na poluição global é avassalador, pois têm os maiores parques industriais. Depois deles, o maior impacto sobre o clima é o desmatamento da Amazônia, que afeta todo o planeta e em particular o Brasil. A falta de chuvas no sul, por exemplo, é uma decorrência da diminuição dos “rios flutuantes”, que é umidade que a Amazônia proporciona a todo o país.

Com Biden, a ciência volta a ser valorizada contra os “negacionistas”, que negam a ciência como um todo, desde as informações mundiais sobre a crise climática até os riscos do coronavírus, também menosprezados na Era Trump. Mas além da Ciência também muda a relação dos Estados Unidos com o mundo inteiro, para um modelo mais diplomático e menos belicoso, com a ideia de colaboração entre as nações ao invés do foco na supremacia americana. Voltam a contribuir com a Organização Mundial da Saúde, agora.

Observem os países da Europa, onde se alternam governos de direita ou esquerda, mas mantém alguns princípios básicos em comum, como o respeito à ciência. Até por sobrevivência, pois a subida do nível do mar os afeta diretamente, serão os primeiros países a ser atingidos. Nós, a Europa e o mundo todo se beneficia com os Estados Unidos mais cooperativo.

Montserrat Martins, médico psiquiatra

1 Comment

1 Comment

  1. Clauzer

    23/01/21 at 10:41

    Opinião totalmente desconectada da realidade, o acordo de Paris representa mais taxas aos Americanos para subsidiar políticas obscuras em países em desenvolvimento! Os EUA já é o país com maior promoção de meios não poluentes do mundo.. ora, de o de é a Tesla? O de estão os maiores parques roliços e pesquisas de ponta para uso de combustíveis não poluentes como hidrogênio, por exemplo! Quando a emissão de CO2 as empresas são ultra responsáveis, so não sabe disto que vive numa bolha! Agora vamos falar de Rússia e China! Estes sim são os maiores poluidores e ninguém absolutamente ninguém consegue fiscalizar!
    Trump saiu do acordo de Paris, porque trata de um acordo não produtivo na realidade!
    Mr Biden joga para a torcida e desinformados… proibiu pipelines com diâmetros XL para beneficiar certos conglomerados!
    Sinto, mas sua análise não condiz com a realidade!!!

Deixe uma resposta para Clauzer Cancelar resposta

Brasil & Mundo

Bolsonaro diz “não ter motivo para duvidar da urna eletrônica” e elogia Barroso

Published

on

Em entrevista à Veja, o presidente Bolsonaro disse sobre a eleição de 2022:

Olha só, vai ter eleição, não vou melar, fique tranquilo, vai ter”.

Até mesmo elogiou o ministro do STF Luís Roberto Barroso:

“Com as Forças Armadas participando, você não tem por que duvidar do voto eletrônico. As Forças Armadas vão empenhar seu nome, não tem por que duvidar. Eu até elogio o Barroso no tocante a essa ideia”.

Continue Reading

Brasil & Mundo

Consultoria internacional aponta Eduardo Leite como favorito nas prévias do PSDB

Published

on

A consultoria internacional Eurasia Group aponta o favoritismo do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, nas prévias que indicarão o candidato do PSDB à Presidência em 2022. Estão na disputa, além de Leite, o governador de São Paulo, João Dria, o senador Tasso Jereissati (CE) e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

“Com a maioria das seções do PSDB ao seu lado, Leite parece inclinado a conquistar a nomeação. Enquanto Doria pode angariar a maioria dos votos em São Paulo, um crescente número de partidários acredita que Leite seja mais indicado para concorrer com o presidente Jair Bolsonaro no ano que vem”. A Eurasia afirma que a maioria dos líderes tucanos não aprova o “estilo” de Doria.

Segundo a consultoria, as chances de Leite em uma eventual participação nas eleições de 2022 dependeriam do desempenho de Bolsonaro.

“Um candidato de 3ª via tem apenas 20% de chance de chegar ao 2º turno, mas essa probabilidade pode aumentar em meio a uma perspectiva econômica em deterioração e, particularmente, se houver uma crise de energia mais severa”.

Continue Reading

Brasil & Mundo

Ministra Tereza Cristina é diagnosticada com covid-19

Published

on

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, informou hoje (24), por meio de seu Twitter, que foi diagnosticada com covid-19. Ela disse estar bem e que fará isolamento, conforme orientação médica.

“Bom dia! Informo a todos que testei positivo para #Covid19. Estou bem. Cancelei meus compromissos presenciais e permanecerei em isolamento durante o período de orientação médica”, escreveu na rede social.

Com a declaração feita há pouco por Tereza Cristina, o governo federal contabiliza dois de seus ministros com a doença. Nesta semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também anunciou por meio de suas redes sociais que testou positivo para a covid-19, em meio à viagem feita junto à comitiva do presidente Jair Bolsonaro a Nova York, nos Estados Unidos, onde participaram da 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU).

Queiroga permanece nos EUA, onde faz quarentena, seguindo todos os protocolos de segurança sanitária. Segundo nota divulgada pela Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom), os demais integrantes da comitiva realizaram o exame e testaram negativo para a doença. A ministra não integrou a comitiva.

Continue Reading

Em alta