Connect with us
https://www.mvpthemes.com/zoxnews/wp-content/uploads/2017/07/zox-leader.png

Pandemia

Covid: O que pode e não pode com o novo decreto pelotense

Publicado

on

A Prefeitura determinou, nesta terça-feira (23), novas medidas sanitárias para conter o avanço da pandemia do coronavírus em Pelotas. Entre as regras publicadas no Decreto Municipal 6.374/2021, estão o fechamento das atividades entre 20h e 5h, a proibição da permanência de pessoas em áreas públicas e a suspensão das cirurgias eletivas.

Seguindo o Decreto Estadual 55.764/2021, o Município determinou o fechamento de todo e qualquer estabelecimento – lojas, centros comerciais, cinemas, teatros, auditórios, casas de shows, circos, casas de espetáculos e similares, dentre outros, que realizem atendimento ao público, com ou sem grande fluxo de pessoas, das 20h às 5h até dia 2 de março. Apenas serviço de tele-entrega poderá operar.

Está vedada, também, a permanência em áreas sem controle de acesso, como praças, parques, canteiro central de avenidas e outros espaços similares, ficando permitida apenas a circulação e a prática de exercícios físicos. Nas orlas das praias, está permitida a formação de grupos de pessoas que morem na mesma casa, mas todas devem utilizar máscara e manter o distanciamento de cerca de três metros entre agrupamentos diferentes.

Também ficou proibida a formação de filas e aglomerações em áreas internas e externas, bem como faixas de areia das praias, calçadas, portarias, entradas de prédios, estabelecimentos públicos ou privados, no horário de vedação das atividades. Os supermercados poderão concluir o atendimento a quem tenha ingressado nas lojas até as 20h, desde que não ultrapassem as 21h.

O Decreto ainda proíbe a abertura de bares e copas em centros esportivos e ginásios em geral, estando vedada a presença de público.

Não estão inseridos, na determinação, os seguintes serviços:

· farmácias, hospitais e clínicas médicas;

· serviços funerários;

· serviços agropecuários, veterinários e de cuidados com animais em cativeiro;

· assistência social e atendimento à população em estado de vulnerabilidade;

· atividades que realizem atendimento exclusivamente na modalidade de tele-entrega;

· postos de combustíveis – vedada a aglomeração de pessoas nos espaços de circulação e nas suas dependências;

· estabelecimentos dedicados à alimentação e à hospedagem de transportadores de cargas e de passageiros, especialmente os situados em estradas e rodovias, inclusive em zonas urbanas;

· hotéis e similares;

· órgãos públicos prestadores de serviços essenciais; e,

· concessionários prestadores de serviços públicos essenciais.

O que funciona e as restrições

Observando os protocolos de segurança sanitária, determinados pelo Decreto estadual e pelas regras para a classificação de bandeira vermelha, na qual Pelotas se encontra, o comércio em geral pode funcionar com o limitador de até 25% da capacidade total de ocupação, conforme o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndios (PPCI).

A mesma determinação vale para galerias comerciais, Mercado Central, Pop Center, shoppings centers, pet shops, salões de beleza, barbearias, podologia e clínicas de estética.

Academias em geral poderão funcionar, respeitando o distanciamento mínimo de 16 metros quadrados de área útil por pessoa, observando o teto e o modo de operação previstos no sistema de Distanciamento Controlado para a Bandeira Vermelha, com lotação de 25%. Os clubes sociais, esportivos e similares também devem seguir a lotação de 25%, com distanciamento de 16 metros quadrados, sem público, somente para atividades físicas vinculadas à manutenção da saúde, como natação, hidroginástica e fisioterapia, ficando fechados para lazer.

Bares e restaurantes à la carte, prato feito e buffet sem autosserviço podem funcionar com teto de operação de 25% e espaçamento de dois metros entre as mesas, com grupos de, no máximo, seis pessoas por mesa.

Os cultos religiosos, missas e similares voltam às restrições previstas no Decreto 6.267, de 23 de abril de 2020, que são as seguintes:

· em templos de até 30m², serão permitidas até sete pessoas;

· em templos de 31m² a 100m², serão permitidas até 15 pessoas;

· em templos de 101m² a 200m², serão permitidas até 20 pessoas; e,

· em templos maiores que 200m², serão permitidas até 30 pessoas.

Nos condomínios residenciais e comerciais, áreas como praças, parques, salões de festas, churrasqueiras e quadras esportivas não devem ser acessadas. Está autorizado o uso de academias com atendimento individualizado por coabitantes, ou seja, pessoas que morem na mesma residência. O mesmo vale para as piscinas que, assim como as academias, devem ter agendamento prévio e higienização constante.

Outras determinações contra a Covid

Cirurgias eletivas estão suspensas até dia 31 de março, sendo que equipe técnica, área física e equipamentos hospitalares utilizados nesse tipo de atendimento ficam disponíveis para pacientes suspeitos ou confirmados para Covid. A Prefeitura considerará como procedimentos cirúrgicos inadiáveis:

· os atendimentos às gestantes, bem como aos recém-nascidos e puérperas;

· os acompanhamentos pós-cirúrgicos para todos os tipos de cirurgias já realizadas, mesmo as eletivas;

· atendimentos na especialidade de oncologia, cardiologia e neurologia, contemplando toda a linha de cuidado (da primeira consulta até a alta do paciente); e,

· cirurgias de urgência e emergência.

O novo Decreto proíbe a realização de festas e eventos em Pelotas. As demais atividades essenciais e não essenciais que não foram citadas no documento devem observar o teto e o modo de operação a partir da bandeira vermelha do modelo de Distanciamento Controlado.

Fiscalização do decreto

As restrições e medidas sanitárias determinadas pelo Município, como forma de controlar a progressão de casos positivos e a ocupação de leitos hospitalares, serão fiscalizadas pela Guarda Municipal, Vigilância Sanitária e setor de fiscalização da Secretaria de Gestão da Cidade e Mobilidade Urbana, além das forças de Segurança Pública. O descumprimento do Decreto sujeita o infrator às penas previstas nos artigos 268 e 330 do Código Penal, bem como à aplicação de multas e interdição previstas na Lei Municipal 6.819, de 3 de julho de 2020, a Lei da Máscara.

Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.

Pandemia

Covid: Pelotas registra dois mortos e 61 infectados nas últimas 24h

Publicado

on

Pelotas registrou mais duas mortes por covid-19 nesta segunda, 18, segundo o Painel Covid, da prefeitura. Pacientes de 72 e 89 anos.

Além disso, 61 pessoas testaram positivo para o vírus. 56 dos internados são de Pelotas, 20 de outros municípios.

Neste momento, 76 pessoas estão internadas (64,4% de ocupação de leitos).

20 em UTI, 60,6% de ocupação.

56 em enfermaria, 65,9% de ocupação.

Até hoje 47.363 pessoas testaram positivo para covid. E 1.166 perderam a vida.

Continue Reading

Pandemia

A partir desta 2ª, pelotense precisará de passaporte vacinal

Publicado

on

Nesta segunda-feira (18), começa a valer em Pelotas a exigência de apresentação do Passaporte Vacinal para ingresso e permanência em eventos e espaços de uso coletivo.

A partir desta data, os estabelecimentos do município devem solicitar o documento ao público que acessar esses espaços.

As regras em relação aos locais que passarão a cobrar a comprovação, além do calendário que estabelece a partir de quando a regra passa a valer, estão especificados no Decreto nº 6.478/2021, publicado pela Prefeitura em 7 de outubro.

Em Pelotas, para o ingresso e permanência no interior de estabelecimentos, eventos e todas as demais atividades e locais de uso coletivo, a comprovação da vacina poderá ser feita de duas maneiras: por meio da certificação emitida pela plataforma Conecte SUS ou pela apresentação da Carteira de Vacinação.

O principal comprovante é o Certificado Nacional de Vacinação – popularmente conhecido como Passaporte da Vacina –, que pode ser obtido através da plataforma Conecte SUS (https://conectesus.saude.gov.br/home) ou baixando o aplicativo para celular disponível aos sistemas iOS e Android.

Seja pelo Conecte SUS, seja pelo aplicativo mobile, o usuário deverá acessar a opção “Cidadão”, e realizar seu cadastro com dados pessoais. Em seguida, deve acessar a aba “Vacinas” e marcar as doses. Logo após, aparecerá o botão do ‘Certificado da vacinação’. O documento conterá os dados de identificação do usuário e da vacina, na frente, e um QR-Code para verificação no verso. Também é possível exportar o documento em PDF para armazená-lo ou imprimi-lo.

A comprovação também poderá ser feita com a apresentação da carteira/cartão de vacinação com a identificação da vacina recebida, lote e data de aplicação da primeira e/ou segunda dose, ou dose única, quando for o caso.

Quem encontrar problemas com relação aos dados durante a emissão do Certificado via plataforma Conecte SUS poderá contar com auxílio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Para isso, será preciso enviar um e-mail com nome completo, CPF e foto da carteirinha de vacinação (frente e verso), além do telefone para contato, para o endereço eletrônico conectesuspelotas@gmail.com. Mais informações e orientações podem ser obtidas pelos telefones (53) 3284-7745, (53) 3284-7710 ou (53) 3284-7722.

O Decreto nº 6.478/2021 exige o passaporte vacinal para atividades como competições esportivas; eventos infantis, sociais e de entretenimento em buffets, casas de festas, casas de shows, casas noturnas, restaurantes, bares e similares; feiras e exposições corporativas, convenções, congressos e similares; cinemas, teatros, auditórios, circos, casas de espetáculo e similares; além de parques temáticos, de aventura, de diversão, naturais, zoológicos e similares. O funcionamento estará condicionado à apresentação do comprovante tanto do público quanto dos trabalhadores.

Ainda conforme o Decreto, o comprovante de vacinação também passa a ser exigido aos estudantes que forem de fora da região Covid-19, da qual Pelotas faz parte (R21), e também para os alunos de outros estados brasileiros. Essa cobrança deverá ser feita pelos estabelecimentos de educação.Calendário

O comprovante vacinal será obrigatório a partir de 18 de outubro, conforme o calendário municipal de vacinação contra a Covid-19, seguindo a programação abaixo.

Maiores de 40 anos de idade

– Comprovante de 1ª dose – a partir de 18/10

– Comprovante de 2ª dose – a partir de 18/10

Entre 30 e 39 anos de idade

– Comprovante de 1ª dose – a partir de 18/10

– Comprovante de 2ª dose – a partir de 28/10

Entre 18 e 29 anos de idade

– Comprovante de 1ª dose – a partir de 18/10

– Comprovante de 2ª dose – a partir de 01/12

Continue Reading

Pandemia

Cães e gatos podem ter vírus da covid-19, mas não transmitem a doença

Publicado

on

Apenas 11% dos cães e gatos que habitam casas de pessoas que tiveram covid-19 apresentam o vírus nas vias aéreas. Esses animais, entretanto, não desenvolvem a doença, segundo pesquisa realizada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).

Isso significa que eles apresentam exames moleculares positivos para SARS-CoV-2, mas não têm sinais clínicos da doença.

Segundo o médico veterinário Marconi Rodrigues de Farias, professor da Escola de Ciências da Vida da PUC-PR e um dos responsáveis pelo estudo, até o momento, foram avaliados 55 animais, sendo 45 cães e dez gatos. Os animais foram divididos em dois grupos: aqueles que tiveram contato com pessoas com diagnóstico de covid-19 e os que não tiveram.

A pesquisa visa analisar se os animais que coabitam com pessoas com covid-19 têm sintomas respiratórios semelhantes aos dos tutores, se sentem dificuldade para respirar ou apresentam secreção nasal ou ocular.

Foram feitos testes PCR, isto é, testes moleculares, baseados na pesquisa do material genético do vírus (RNA) em amostras coletadas por swab (cotonete longo e estéril) da nasofaringe dos animais e também coletas de sangue, com o objetivo de ver se os cães e gatos domésticos tinham o vírus. “Eles pegam o vírus, mas este não replica nos cães e gatos. Eles não conseguem transmitir”, explicou Farias.

Segundo o pesquisador, a possibilidade de cães e gatos transmitirem a doença é muito pequena. O estudo conclui ainda que em torno de 90% dos animais, mesmo tendo contato com pessoas positivadas, não têm o vírus nas vias aéreas.

Mutação

Segundo Farias, até o momento, pode-se afirmar que animais domésticos têm baixo potencial no ciclo epidemiológico da doença.

No entanto, é importante ter em mente que o vírus pode sofrer mutação. Por enquanto, o cão e o gato doméstico não desenvolvem a doença. A continuidade do trabalho dos pesquisadores da PUC-PR vai revelar se esse vírus, em contato com os animais, pode sofrer mutação e, a partir daí, no futuro, passar a infectar também cães e gatos domésticos.

“Isso pode acontecer. Aí, o cão e o gato passariam a replicar o vírus. Pode acontecer no futuro. A gente não sabe”.

Por isso, segundo o especialista, é importante controlar a doença e vacinar em massa a população, para evitar que o cão e o gato tenham acesso a uma alta carga viral, porque isso pode favorecer a mutação.

A nova etapa da pesquisa vai avaliar se o cão e o gato têm anticorpos contra o vírus. Os dados deverão ser concluídos entre novembro e dezembro deste ano.

O trabalho conta com recursos da própria PUC-PR e do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Continue Reading

Em alta