Connect with us

Pandemia

Imunização contra Covid-19 prossegue nesta semana

Publicado

on

Ações ocorrerão no drive-thru e nos bairros e serão destinadas para aplicação de 1ª e 2ª dose do imunizante
Em Pelotas, mais uma semana começa com ações de vacinação contra a Covid-19, agendadas a partir de segunda-feira (19). Além do drive-thru, no Centro de Eventos, para aplicação da 1ª dose no público com 32 anos ou mais, também ocorre imunização nos bairros para quem tem 35 anos ou mais.

Outro avanço foi a antecipação do calendário de aplicação da 2ª dose das vacinas AstraZeneca e Pfizer, após uma determinação da Resolução 190/21 da Comissão Intergestores Bipartite (CIB/RS). Em Pelotas, a Prefeitura preparou cronograma para organizar a imunização de todos os públicos que devem comparecer para concluir o esquema vacinal. Trata-se dos portadores de deficiência permanente, que recebem Benefício de Prestação Continuada (BPC), e de pessoas com as comorbidades definidas pelo Plano Estadual de Vacinação, com idades entre 59 a 40 anos, além de pacientes com doença renal crônica e Síndrome de Down de 18 a 59 anos e profissionais da área da Saúde, com registro em Conselho de Classe.

Veja mais

+ Aplicação da 2ª dose da vacina para grupos prioritários será antecipada

Confira como será a organização

Calendário de vacinação

Drive-thru

Centro de Eventos, das 9 às 17h – com entrada pela avenida Pinheiro Machado

– Segunda-feira (19) – 1ª dose para 32 anos ou mais

– Terça-feira (20) – 2ª dose para:

Publicidade

* deficientes permanentes com BPC de 59 a 54 anos;

* pessoas com comorbidades definidas de 59 a 54 anos;

* paciente com Doença Renal Crônica de 18 a 59 anos; e,

* pessoas com Síndrome de Down de 18 a 59 anos. 

– Quarta-feira (21) -2ª dose para:

* deficientes permanentes com BPC de 59 a 40 anos; e,

* pessoas com comorbidades definidas de 59 a 40 anos.

Publicidade

IFSul

Campus Pelotas, das 9 às 17h, praça 20 de Setembro.

– Terça-feira (20) – 2ª dose para:

* profissionais da Saúde com registro em Conselho de Classe.

Serviço de Assistência Especializada (SAE), das 9h às 17h

– Quinta-feira (22) – 2ª dose para:

– pessoas com HIV e Aids de 59 a 40 anos.

Bairros – das 10 às 15h

– Segunda-feira (19) – 1ª dose para 35 anos ou mais

– Terça-feira (20) – 1ª dose para 34 anos ou mais

– Quarta-feira (21) – 1ª dose para 33 anos ou mais

Publicidade

– Quinta-feira (22) – 1ª dose para 32 anos ou mais

– Sexta-feira (23) – 2ª dose para:

* deficientes permanentes com BPC de 59 a 54 anos;

* pessoas com comorbidades definidas de 59 a 54 anos;

* paciente com Doença Renal Crônica de 18 a 59 anos; e,

* pessoas com Síndrome de Down de 18 a 59 anos. 

– Segunda-feira (26) – 2ª dose para:

Publicidade

* deficientes permanentes com BPC de 59 a 40 anos; e,

* pessoas com comorbidades definidas de 59 a 40 anos.

Veja os documentos necessários para a 2ª dose

– Carteira de Vacinação, para comprovar a 1ª dose

– Documento de identidade

Para agilizar o processo de imunização, nos drive-thrus e nos pontos dos bairros, a Prefeitura disponibiliza, no hotsite do coronavírus, o comprovante de vacinação. As pessoas que irão se vacinar podem levar o documento impresso, com as informações pessoais preenchidas. No entanto, a SMS esclarece que levar o comprovante preenchido não é uma obrigação, mas uma maneira de facilitar o trabalho e diminuir o tempo de espera durante o processo. 

Endereços dos pontos de vacinação nos bairros

– Pelotas Parque Tecnológico – avenida Domingos de Almeida, 1.785 – Areal

– Colégio Pelotense – Ginásio, entrada pela avenida Bento Gonçalves – Centro

Publicidade

– União Gaúcha – avenida Engenheiro Ildefonso Simões Lopes, 531 – Cohab Tablada

– CTG Os Farrapos – rua Raul Pompeia, 1.400 – Santa Terezinha

– Associação Rural – Casa da Amizade, avenida Fernando Osório, 1.754 – Três Vendas

– Comunidade Católica Nossa Senhora de Lourdes – salão da igreja, avenida Amazonas, 515 – Balneário dos Prazeres

– Paróquia São José – avenida Duque de Caxias, 520 – Fragata

SMS alerta

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que é preciso aguardar o intervalo mínimo de 14 dias entre a aplicação da vacina contra a Covid-19 e qualquer outra do esquema vacinal, incluindo a que protege da gripe, para garantir a imunização correta.

Além disso, as pessoas que apresentarem sintomas gripais não devem comparecer na data marcada. O mesmo vale para quem tiver positivado para o coronavírus. É preciso aguardar 30 dias do início dos sintomas para receber a aplicação.

Publicidade

Lista de comorbidades definidas pelo Plano Estadual de Vacinação

Abaixo, estão listadas as comorbidades incluídas nos grupos prioritários da vacinação contra a Covid-19 e suas descrições de acordo com o Plano Estadual de Imunização.

– Diabetes Mellitus (DM): diagnóstico de Diabetes Mellitus

– Pneumopatia crônica grave: DPOC, Fibrose cística, fibrose pulmonar, pneumoconioses, displasia broncopulmonar ou asma grave (uso recorrente de corticóide sistêmico ou hospitalização por asma)

– HAS resistente: HAS não controlada com uso de três ou mais anti-hipertensivos em doses máximas ou HAS controlada com o uso de quatro classes de anti-hipertensivos

– HAS estágio 3: PA sistólica ≥180mmHg e/ou diastólica ≥110mmHg

– HAS com lesão em órgão-alvo: HAS com lesão em órgão-alvo (coração, retina, rim, encéfalo, vasos)

– HAS associada à comorbidade: HAS em indivíduo com obesidade, cardiopatia hipertensiva (hipertrófica ou dilatada), apneia obstrutiva do sono, hiperlipidemia ou outra

Publicidade

– Insuficiência cardíaca (IC): IC estágios B, C ou D

– Cor pulmonale e Hipertensão pulmonar (HAP): diagnóstico de cor pulmonale crônico e HAP primária ou secundária

– Doença Arterial Coronariana (DAC): diagnóstico de DAC sem ou com complicações (exemplo: IAM)

– Valvulopatias cardíacas: lesões valvares com repercussão hemodinâmica, miocárdica ou com sintomas

– Prótese valvar: portador de prótese valvar biológica ou mecânica

– Miocardiopatias e Pericardiopatias: Miocardiopatia de qualquer etiologia, Pericardite crônica, Cardiopatia reumática

– Doenças de grandes vasos e fístulas arteriovenosas: aneurismas, dissecções ou hematomas de aorta ou demais grandes vasos

Publicidade

– Arritmias Cardíacas: arritmia com relevância clínica (que exija tratamento) ou associada à cardiopatia

– Cardiopatia Congênita no adulto: cardiopatia congênita associada à: repercussão hemodinâmica, hipoxemia, IC, arritmia ou comprometimento miocárdico

– Doença Cerebrovascular: AVE ou AIT prévio, Demência vascular

– Doença Renal Crônica (DRC): DRC estágio 3 ou 4 (TGF<60ml/min/1,73m²) e/ou Síndrome Nefrótica

– Imunossupressão: transplantados em uso de imunossupressor, pessoas vivendo com HIV, imunodeficiências primárias, necessidade de uso crônico de corticoide em dose de Prednisona >10mg/dia (ou equivalente), pulsoterapia com corticoide ou ciclofosfamida

– Câncer: pacientes oncológicos com tratamento quimio ou radioterápicos atual ou nos últimos 6 meses ou portadores de neoplasias hematológicas

– Hemoglobinopatias graves: diagnóstico de anemia falciforme ou talassemia maior

Publicidade

– Obesidade grau 3: Índice de Massa Corporal ≥40kg/m²

– Cirrose Hepática: diagnóstico de cirrose hepática em qualquer estágio

– Síndrome de Down: Trissomia do cromossomo 21

Publicidade
Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor.

Brasil & Mundo

Ministério confirma cinco casos da variante Ômicron no Brasil

Pasta informa que há outros oito casos sob investigação

Publicado

on

O Ministério da Saúde confirmou nesta quinta-feira (2) cinco casos da variante Ômicron no Brasil – três em São Paulo e dois no Distrito Federal. São quatro homens e uma mulher, todos vacinados contra a covid-19. Eles estão isolados e pelo menos um apresenta sintomas leves. A maioria está assintomática.

De acordo com a pasta, há ainda oito casos da variante em investigação no país, sendo um em Minas Gerais, um no Rio de Janeiro e seis no Distrito Federal.

“Hoje, temos uma situação sanitária bem mais equilibrada, mas lidamos com a imprevisibilidade biológica desse vírus, que sofre mutações. A vigilância em saúde está atenta e atuante pra que essas variantes sejam identificadas e pra que se avalie o potencial dessa variante complicar o cenário pandêmico”, disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Continue Reading

Especial

Covid: Pelotense a partir dos 30 pode tomar terceira dose

Publicado

on


terceira dose da vacina contra o coronavírus (dose de reforço) já pode ser recebida por pessoas com 30 anos ou mais, que tenham feito a segunda dose há, no mínimo, cinco meses. Os imunizantes podem ser encontrados nos mais de 50 pontos de vacinação selecionados pela Prefeitura a partir de sexta-feira (3). 

Dentre os documentos que deverão ser apresentados, no momento da aplicação, estão as carteiras de identidade e de vacinação, necessária para comprovar as duas doses anteriores ou o esquema vacinal completo.

Quem recebeu o imunizante da Janssen ainda não poderá fazer o reforço.

Continue Reading

Brasil & Mundo

“Anticorpos de infecção anterior não impedem doença por Ômicron”

Afirmação é de pesquisadora de Instituto de Doenças da África do Sul

Publicado

on

Os anticorpos resultantes de uma primeira infecção de covid-19 não impedem uma pessoa de contrair novamente a doença com a variante Ômicron, afirmou hoje (2) a pesquisadora Anne von Gottber, na entrevista coletiva virtual semanal do escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) na África.

“Acreditamos que a infecção anterior não protege contra a Ômicron”, disse Anne, especialista em doenças infecciosas do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul.

Há ainda muitas incógnitas sobre essa nova forma do coronavírus, anunciada na semana passada, que tem 32 mutações, incluindo o seu potencial de propagação e a sua resistência às vacinas.

A investigação está apenas começando, mas as observações iniciais sugerem que pessoas anteriormente infectadas podem ter sido vítimas da forma mutante do vírus, muitas vezes com sintomas menos graves, disse ela.

A variante, presente até agora em pelo menos 22 países – segundo a OMS -, foi detectada inicialmente na África do Sul e em Botsuana e relatada em mais dois países africanos – Gana e Nigéria.

O número de casos oficiais de covid-19 no continente aumentou 54% nos últimos sete dias, até 30 de novembro, em comparação com o mesmo período anterior, devido ao aumento exponencial de infecções na África do Sul. A previsão é que exceda 10 mil casos nas próximas 24 horas, de acordo com a OMS África.

O número de casos de infecção diminuiu em todas as outras sub-regiões.

Publicidade

Há 15 dias, a África do Sul registrava cerca de 300 casos por dia. Na quarta-feira (1º), o país comunicou 8.561 novos casos, contra 4.373 no dia anterior.

Nesta fase, “não sabemos de onde vem a variante”, disse o especialista da OMS Ambrose Talisuna.

Depois do anúncio da detecção da nova variante B.1.1.529 na semana passada, denominada Ômicron, a África do Sul e o conjunto dos países vizinhos da África Austral foram alvo de proibições de viagem por parte de muitas nações. 

A OMS reiterou hoje o seu apelo à suspensão das restrições, que considera “injustas” e sem qualquer justificação científica.

“A detecção e a comunicação da nova variante por parte de Botsuana e da África do Sul mobilizou o mundo. Temos uma janela de oportunidade, mas temos de agir rapidamente e aumentar as medidas de detecção e prevenção”, afirmou Matshidiso Moeti, diretora regional da OMS para África, citada em comunicado da organização, divulgado após a coletiva.

“Os países devem ajustar a sua resposta à covid-19 e impedir que um surto de casos se espalhe por toda a África e sobrecarregue eventualmente instalações de saúde já saturadas”, acrescentou.

A África do Sul e Botsuana são responsáveis por 62% dos casos de infecção com a Ômicron, tendo relatado, respectivamente, 172 e 19 casos.

Publicidade

A nova variante tem elevado número de mutações (32) na sua proteína spike, e os ensaios laboratoriais preliminares sugerem risco de reinfeção, quando comparada com outras variantes preocupantes

Cientistas da África do Sul e região “estão intensificando as pesquisas para compreender a transmissibilidade, gravidade e impacto da Ômicron em relação às vacinas, diagnósticos e tratamentos disponíveis e se ela é responsável pelo mais recente surto de infecções de covid-19”, acrescenta o comunicado da OMS África.

Sobre os dados da doença na região da África Austral, que registra um surto, a África do Sul é a principal responsável por essa nova curva ascendente das infecções, tendo notificado um aumento de 311% de novos casos nos sete dias anteriores a 30 de novembro, em comparação com o mesmo período anterior.

Os casos de infecção em Gauteng, a província mais populosa do país, aumentaram 375% de uma semana para a outra. As admissões hospitalares aumentaram 4,2% nos últimos sete dias, em comparação com os sete dias anteriores. E as mortes relacionadas com a covid-19 na província saltaram 28,6%, também em comparação com os sete dias anteriores.

A OMS enviou uma equipe de emergência para a província de Gauteng, a fim de apoiar medidas de vigilância, rastreio de contatos, prevenção de infecções e tratamento.

Botsuana está aumentando a produção e distribuição de oxigênio, essenciais para o tratamento de doentes em estado crítico.

Outros epidemiologistas e peritos laboratoriais foram também mobilizados para impulsionar a sequenciação genética de amostras em Botsuana, Moçambique e na Namíbia.

Publicidade

A OMS mobilizou US$ 12 milhões para apoiar atividades de resposta crítica em países de toda a região, durante os próximos três meses.

Continue Reading



Publicidade
Publicidade

Mais lidas em três dias