Connect with us

Pandemia

Aplicação da 2ª dose para grupos prioritários começa nesta terça-feira

Publicado

on

Começa nesta terça-feira (20), a antecipação da 2ª dose das vacinas Astrazeneca e Pfizer, que protegem contra a Covid-19. O adiantamento ocorreu após uma determinação da resolução 190/21 da Comissão Intergestores Bipartite (CIB/RS). O objetivo é garantir melhor resposta imune em decorrência da suspeita de casos da variante Delta no RS. 

Em Pelotas, a Prefeitura preparou um cronograma para organizar a imunização de todos os públicos que devem comparecer para concluir o esquema vacinal. Confira como será a organização:

– Deficientes permanentes com BPC e pessoas com comorbidades

Os portadores de deficiência permanente, que recebem Benefício de Prestação Continuada (BPC) e pessoas com as comorbidades definidas pelo Plano Estadual de Vacinação, com idades entre 59 a 54 anos, além de pacientes com doença renal crônica e Síndrome de Down de 18 a 59 anos, que fizeram a 1ª dose da vacina em drive-thrus, no Centro de Eventos, nos dias 6, 7 e 10 de maio, deverão receber o complemento do imunizante na terça-feira (20), nos pavilhões da Fenadoce. Já quem faz parte deste grupo e foi vacinado nos dias 11 e 12 de maio, nos bairros, deverá comparecer no dia 23 de julho (sexta-feira), nos sete pontos de aplicação definidos pelo Município.

Já os deficientes permanentes com BPC e pessoas com comorbidades definidas pelo Plano Estadual de Vacinação, com idades entre 59 a 40 anos, que foram vacinados com a 1ª dose nos dias 11 e 12 de maio, nos drives, deverão receber a 2ª dose no dia 21 (quarta-feira). As pessoas desse público que fizeram a vacinação nos bairros, em 13 e 14 de maio, devem procurar os locais de imunização no dia 26 de julho (segunda-feira). 

– Profissionais da área da saúde

Publicidade

Outro grupo que deve proceder a aplicação da 2ª dose para imunização completa é o de profissionais da área da saúde, com registro em Conselho de Classe, que realizaram a 1ª dose 

nos dias 28 e 29 de abril. Esse grupo deve comparecer na terça-feira (20), ao Campus Pelotas do IFSul, para receber o complemento.

– HIV e Aids

As pessoas que possuem HIV/Aids, tem entre 59 e 54 anos e receberam a 1ª dose da proteção nos dias 11 e 12 de maio, devem procurar o Serviço de Assistência Especializada (SAE), onde já realizam seu tratamento, para fazer a segunda parte da vacina, na no dia 22 de julho (quinta-feira), das 9 às 17h.

Confira como fica o cronograma:

Drive-thru

Centro de Eventos, das 9 às 17h – com entrada pela avenida Pinheiro Machado

20/7 (terça-feira) – 2ª dose para:

Publicidade

*Deficientes permanentes com BPC, de 59 a 54 anos;

*Pessoas com comorbidades definidas, de 59 a 54 anos;

*Paciente com Doença Renal Crônica Renal, de 18 a 59 anos; 

* Pessoas com Síndrome de Down, de 18 a 59 anos. 

21/7 (quarta-feira) -2ª dose para:

*Deficientes permanentes com BPC, de 59 a 40 anos; e

*Pessoas com comorbidades definidas, de 59 a 40 anos.

Publicidade

IFSul

Campus Pelotas, das 9 às 17h, Praça 20 de Setembro.

20/7 (terça-feira) – 2ª dose para:

*Profissionais da Saúde com registro em conselho de classe.

Serviço de Assistência Especializada (SAE), das 9h às 17h

22/07 (quinta-feira) – 2ª dose para:

*Pessoas com HIV e Aids, de 59 a 40 anos.

Bairros – das 10 às 15h

23/07 (sexta-feira) – 2ª dose para:

*Deficientes permanentes com BPC, de 59 a 54 anos;

*Pessoas com comorbidades definidas, de 59 a 54 anos;

Publicidade

*Paciente com Doença Renal Crônica Renal, de 18 a 59 anos; 

* Pessoas com Síndrome de Down, de 18/59 anos. 

26/07 (segunda-feira) – 2ª dose para:

*Deficientes permanentes com BPC, de 59 a 40 anos;

*Pessoas com comorbidades definidas, de 59 a 40 anos;

Veja os documentos necessários para a 2ª dose

– Carteira de Vacinação, para comprovar a 1ª dose; e

– Documento de identidade.  

Para agilizar o processo de imunização, nos drive-thrus e nos pontos dos bairros, a Prefeitura disponibiliza, no hotsite do coronavírus, o comprovante de vacinação. As pessoas que irão se vacinar podem levar o documento impresso, com as informações pessoais preenchidas. No entanto, a SMS esclarece que levar o comprovante preenchido não é uma obrigação, mas uma maneira de facilitar o trabalho e diminuir o tempo de espera durante o processo. 

Publicidade

Endereços dos pontos de vacinação nos bairros

– Pelotas Parque Tecnológico – avenida Domingos de Almeida, 1.785 – Areal

– Colégio Pelotense – Ginásio, entrada pela avenida Bento Gonçalves – Centro

– União Gaúcha – avenida Engenheiro Ildefonso Simões Lopes, 531 – Cohab Tablada

– CTG Os Farrapos – rua Raul Pompeia, 1.400 – Santa Terezinha

– Associação Rural – Casa da Amizade, avenida Fernando Osório, 1.754 – Três Vendas

– Comunidade Católica Nossa Senhora de Lourdes – salão da igreja, avenida Amazonas, 515 – Balneário dos Prazeres

– Paróquia São José – avenida Duque de Caxias, 520 – Fragata

Publicidade

SMS alerta

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que é preciso aguardar o intervalo mínimo de 14 dias entre a aplicação da vacina contra a Covid-19 e qualquer outra do esquema vacinal, incluindo a que protege da gripe, para garantir a imunização correta.

Além disso, as pessoas que apresentarem sintomas gripais não devem comparecer na data marcada. O mesmo vale para quem tiver positivado para o coronavírus. É preciso aguardar 30 dias do início dos sintomas para receber a aplicação.

Lista de comorbidades definidas pelo Plano Estadual de Vacinação

Abaixo, estão listadas as comorbidades incluídas nos grupos prioritários da vacinação contra a Covid-19 e suas descrições de acordo com o Plano Estadual de Imunização.

– Diabetes Mellitus (DM): diagnóstico de Diabetes Mellitus

– Pneumopatia crônica grave: DPOC, Fibrose cística, fibrose pulmonar, pneumoconioses, displasia broncopulmonar ou asma grave (uso recorrente de corticóide sistêmico ou hospitalização por asma)

– HAS resistente: HAS não controlada com uso de três ou mais anti-hipertensivos em doses máximas ou HAS controlada com o uso de quatro classes de anti-hipertensivos

– HAS estágio 3: PA sistólica ≥180mmHg e/ou diastólica ≥110mmHg

Publicidade

– HAS com lesão em órgão-alvo: HAS com lesão em órgão-alvo (coração, retina, rim, encéfalo, vasos)

– HAS associada à comorbidade: HAS em indivíduo com obesidade, cardiopatia hipertensiva (hipertrófica ou dilatada), apneia obstrutiva do sono, hiperlipidemia ou outra

– Insuficiência cardíaca (IC): IC estágios B, C ou D

– Cor pulmonale e Hipertensão pulmonar (HAP): diagnóstico de cor pulmonale crônico e HAP primária ou secundária

– Doença Arterial Coronariana (DAC): diagnóstico de DAC sem ou com complicações (exemplo: IAM)

– Valvulopatias cardíacas: lesões valvares com repercussão hemodinâmica, miocárdica ou com sintomas

– Prótese valvar: portador de prótese valvar biológica ou mecânica

Publicidade

– Miocardiopatias e Pericardiopatias: Miocardiopatia de qualquer etiologia, Pericardite crônica, Cardiopatia reumática

– Doenças de grandes vasos e fístulas arteriovenosas: aneurismas, dissecções ou hematomas de aorta ou demais grandes vasos

– Arritmias Cardíacas: arritmia com relevância clínica (que exija tratamento) ou associada à cardiopatia

– Cardiopatia Congênita no adulto: cardiopatia congênita associada à: repercussão hemodinâmica, hipoxemia, IC, arritmia ou comprometimento miocárdico

– Doença Cerebrovascular: AVE ou AIT prévio, Demência vascular

– Doença Renal Crônica (DRC): DRC estágio 3 ou 4 (TGF<60ml/min/1,73m²) e/ou Sínd. Nefrótica

– Imunossupressão: transplantados em uso de imunossupressor, pessoas vivendo com HIV, imunodeficiências primárias, necessidade de uso crônico de corticoide em dose de Prednisona >10mg/dia (ou equivalente), pulsoterapia com corticoide ou ciclofosfamida

Publicidade

– Câncer: pacientes oncológicos com tratamento quimio ou radioterápicos atual ou nos últimos 6 meses ou portadores de neoplasias hematológicas

– Hemoglobinopatias graves: diagnóstico de anemia falciforme ou talassemia maior

– Obesidade grau 3: Índice de Massa Corporal ≥40kg/m²

– Cirrose Hepática: diagnóstico de cirrose hepática em qualquer estágio

Publicidade
Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor.

Especial

Covid / Prefeitura diz: “Caso necessário, reativaremos leitos em hospitais”

Publicado

on

Consultada pelo Amigos, a prefeitura respondeu:

A Secretaria de Saúde mantém contato com os hospitais para que, caso seja necessário, possa reativar leitos clínicos e de UTI, mas essa reabertura não é tão rápida, pois envolve uma série de fatores, como a disposição de espaço e de equipes médicas de retaguarda, que precisam ser exclusivas para atender pacientes Covid e também de financiamento federal. Caso isso aconteça, será divulgado.

Continue Reading

Pandemia

Pelotas tem recorde de infectados: 1314 em 24 horas. Todos os leitos estão ocupados

Publicado

on

Pelotas registrou nesta quarta-feira (26) o maior número de infectados pela covid em 24 horas, desde o começo da pandemia: 1314.

A ocupação dos 16 leitos de UTI está em 100%.

Já a ocupação de leitos de enfermaria está, segundo o painel covid da prefeitura, disponível na internet, em 105,2%.

8.560 pessoas estão isoladas em casa.

Consultada pelo Amigos, a Prefeitura diz:

A Secretaria de Saúde pelotense mantém contato com os hospitais para que, caso seja necessário, possa reativar leitos clínicos e de UTI, mas essa reabertura não é tão rápida, pois envolve uma série de fatores, como a disposição de espaço e de equipes médicas de retaguarda, que precisam ser exclusivas para atender pacientes Covid e também de financiamento federal. Caso isso aconteça, será divulgado.

Publicidade
Comitê UFPel alerta para necessidade de medidas extras para enfrentar covid em Pelotas

Continue Reading

Especial

Comitê UFPel alerta para necessidade de medidas extras para enfrentar covid em Pelotas

Publicado

on

Aumento do número de casos pressiona o sistema de saúde

Pelotas, 25 de janeiro de 2022

O Comitê UFPel Covid-19 vem por meio de nota técnica sinalizar a piora do cenário da
epidemia de Covid-19 em Pelotas, resultante da circulação da variante ômicron, e chamar atenção para a ocupação máxima de leitos de UTI no município.

Há três semanas o município de Pelotas apresenta forte aumento no número de casos, sendo que nas duas últimas semanas o município experimentou números recordes, alcançando na semana epidemiológica 3 (16 a 22 de janeiro) 2736 casos novos (Gráfico 1), ou seja, 798 casos novos a cada 100.000 habitantes, muito acima do ponto de corte de 100 casos novos a cada 100.000 habitantes por semana considerado pelo Centro de Controle de Doenças como situação de alta transmissão.

Embora o número de pessoas com vacinação completa e com dose de reforço reduzam o quantitativo de casos graves com internação em enfermaria, UTI e óbitos, em comparação com o que ocorreu no ano passado, é esperado que este quantitativo muito alto de casos pressione o sistema de saúde. O Painel Covid-19 do município indica 16 pessoas em leitos de UTI, com 100% de ocupação.

Pelotas tem recorde de infectados: 1314 em 24 horas. Todos os leitos estão ocupados

Sabe-se que este número é bastante inferior ao número de leitos covid-19 disponíveis no pico da epidemia que era em torno de 60. Entretanto, preocupa que o município venha a enfrentar dificuldades para ampliar leitos. Sabe-se que um grande número de profissionais de saúde que estão afastados por estarem contaminados, além disso a grande exaustão enfrentada pelos profissionais de saúde, depois de 2 anos de pandemia, limita a possibilidade de expandir a carga horária.

O percentual da população geral de Pelotas com vacinação completa está em 68%, aquém do percentual do estado do RS como um todo que é de 72%. Apesar da importância da dose de reforço para evitar casos graves provocados pela variante ômicron, o percentual da população geral de Pelotas com dose de reforço é de apenas 22%. Ainda existem, inclusive, muitos idosos que não receberam a dose de reforço.

Publicidade

Diante disso, o comitê enfatiza a necessidade de ampliar as medidas de distanciamento social, a ventilação cruzada dos ambientes e o uso correto de máscaras de boa qualidade. Sabe-se que as máscaras de tecido oferecem proteção variável, portanto deve ser estimulado o uso de máscaras PFF2 ou N95 especialmente em locais em que ocorrem grande número de contatos e como segunda opção as máscaras cirúrgicas.

É necessário acelerar a vacinação das crianças e fazer busca ativa daqueles que estão com dose de reforço pendente ou com vacinação incompleta. É importante ampliar ao máximo o acesso a testagem e a orientação para o isolamento daqueles com resultado positivo. O isolamento desde o início dos sintomas ou a partir do resultado positivo do teste é o mais adequado para promover a interrupção da transmissão.

É preciso buscar estratégias para evitar as longas filas para vacinação e testagem, tanto porque elas são uma barreira para o acesso, quanto pelo fato de se tornarem um foco de aglomeração e contaminação. Além disso, é fundamental monitorar a situação dos profissionais de saúde. O suporte social para a população em estado de vulnerabilidade deve ser fortalecido, garantindo, entre outros aspectos, a distribuição de máscaras de boa qualidade e apoio para aqueles que precisam fazer isolamento.

Continue Reading



Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em alta