“Votação de tucanos no voto impresso pode ser fruto de queda de braço de Aécio e Doria”

Em sua coluna publicada no portal Uol, o jornalista Reinaldo Azevedo destaca que “nada menos de 20 dos 32 deputados tucanos evitaram dizer ‘não’ a Jair Bolsonaro na votação da PEC do Voto Impresso.

Houve uma abstenção, cinco ausências e 15 votos ‘sim’, entre eles o voto do deputado Daniel Trzeciak, do PSDB gaúcho. “Estamos falando de 62,5% da bancada. E isso se dá num dia em que, simbolicamente, Brasília foi ocupada por tropas”, reforça o colunista. “Um vexame histórico”.

De acordo com o jornalista, é possível que o placar da votação entre tucanos seja consequência de um possível braço de ferro entre Aécio e João Doria, governador de São Paulo e postulante à vaga de candidato do partido à Presidência”. “Se uma tentativa interna de resposta a Doria é dizer ‘sim’ ao voto impresso ou se ausentar do embate no dia em que tanques desfilaram em Brasília, não estamos falando apenas de políticos que perderam o eixo: perderam também o sentido de história. Há gente pronta aí para integrar a base bolsonarista num eventual segundo mandato”, continua.

“Doria, note-se, posicionou-se contra o voto impresso: assim fizeram 12 deputados do PSDB. O resultado indica a batalha que o governador de São Paulo tem pela frente. Mas aponta também uma sigla que deixou seu umbigo se confundir com os destinos na nação”, acrescenta. 

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.