Connect with us
https://www.mvpthemes.com/zoxnews/wp-content/uploads/2017/07/zox-leader.png

Brasil & Mundo

Livro de Otto Guerra rima humor e dor. Por Geraldo Hasse

Published

on

Só podia ser muito engraçada a autobiografia do animador Otto Guerra, mais um gênio de Alegrete que veio parar rodeio em Porto Alegre. Nascido em 1955, ele conta sua vida e obras em alta velocidade. No formato de bolso, “Nem Doeu” tem 130 páginas leves e ligeiras. A cada página rola pelo menos um episódio da vida desvairada desse criador que botou movimento em suas HQ e se tornou o mais famoso diretor de cinema de animação de Porto Alegre.

Seus filmes se tornaram conhecidos em todo mundo, sempre beliscando algum prêmio aqui e ali. Sua vida daria um filme que tanto poderia ser dirigido por um Walter Salles, numa linha mais clean/cult; como poderia derivar para uma pornochanchada escrachada mas não menos cult – quem se habilitaria? “Nem Doeu” vale como pré-roteiro.    

O fato é que, imprimindo um ritmo tridinâmico à narrativa, o outsider Otto fez um livrinho fora-de-série. Uma das qualidades mais notórias da obra é o cruzamento do fraseado sintético com o senso de humor. Não dá pra saber se tudo que ali está é verdadeiro ou contém algum molho extra, tantas são as histórias dramáticas e/ou hilárias, mas o texto é extremamente veraz. Cenas dramáticas são resumidas em poucas linhas – por exemplo, motorista de ambulância do Hospital do Exército aos 20 anos, o soldado Otto conta da noite em que foi chamado a transportar feridos de tortura e, entre os amassados, reconheceu seu ex-professor de História.  

Impresso em Goiânia, onde vivem os editores Marcio Jr. e Marcia Deretti, que trabalham desde 2007 com cinema de animação*, o livro passou pela mão de três revisoras que praticamente o isentaram de erros de português; sobraram alguns cochilos no uso do italic, adotado para sinalizar diálogos ou exclamações.

Em lugar de orelhas, uma sugestiva foto do extinto Cine Ritz vale por uma citação histórica. Na contracapa, num texto de 15 linhas, o cartunista Adão Iturrusgarai, parceiro no pioneiro “Rock & Hudson, os caubóis gays”, prevê o epitáfio do amigo: “Aqui jaz um escroto fofo”. Frase que remete naturalmente a Angeli, Glauco e Laerte, três dos maiores cartunistas de São Paulo e parceiros ou quase de Otto Guerra em filmes como “Os Piratas do Tietê” e “Wood & Stock, Sexo Orégano e Rock ‘n’ Roll”.      

*Do Youtube: “MMarte Produções é a encarnação profissional de Márcia Deretti e Márcio Júnior – alienígenas para os quais trabalho, arte, prazer e vida não só se misturam, como são indistinguíveis. De modo aparentemente esquizofrênico, a MMarte se dedica a diversos ramos da produção cultural, com destaque para o cinema de animação. Desde 2007, realiza em Goiás o Dia Internacional da Animação. E em 2009, deu à luz o projeto de formação Escola Goiana de Desenho Animado (EGDA). O Ogro, lançado em 2011, inaugura a MMarte como produtora audiovisual. São oito curtas-metragens finalizados, sete deles em animação. Autorais, os filmes se dividem em projetos dirigidos pelos marcianos Márcia & Márcio, ou por animadores egressos da EGDA. Três novas animações estão em produção, com estreia prevista para 2021 – a depender da existência do mundo, claro. Mais que produtora cultural, a MMarte é uma utopia. Um planeta vermelho onde todos que acreditam em arte independente têm asilo irrevogável. Seja bem-vindo”. Fone para encomendar o livro (62) 98117.3345

Click to comment

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor. Abç.

Puro prazer