Orador de velório se dá ‘bem’

Cara gostava de discursar em velório. Numa vez, se empolgou na falação e a dentadura despencou de sua boca dentro do caixão. Não preciso descrever…

Leia mais

As coisas essenciais da vida

Escrevi este texto por razões biológicas. O cômodo de minha avó materna, no período em que morou em um pensionato para idosos, era o retrato…

Leia mais

O mundo real depois do frenesi da eleição

O momento imediatamente posterior ao final dos grandes eventos, como a eleição que há pouco tivemos, é um pouco triste – algo como o fim…

Leia mais

No tempo em que havia cartas

Houve um tempo em que havia cartas. Já existia o telefone, ainda havia o telegrama. Mas, principalmente, havia cartas. Vinham embrulhadas numa coisa chamada, pomposamente,…

Leia mais

Prometeu Acorrentado, uma crônica sobre pais e filhos

Para muitos pais, o primeiro filho se pode transformar numa gestação de inquietude. Quando falo ‘pais’, refiro-me aos primatas mais peludos, suas clavas – nós,…

Leia mais

‘Plantas carnívoras, Nossa Senhora e areia movediça, meus terrores infantis’

Meus terrores infantis eram (não necessariamente nesta ordem) plantas carnívoras, Nossa Senhora e areia movediça. O primeiro e o último advinham do hábito de ir…

Leia mais

Revolta no reino animal

Quando eu me detenho nos olhos do mico que uma amiga contrabandeou da Amazônia, vejo coisas. O que vejo? Por baixo do abandono das pupilas,…

Leia mais

Eu estava aqui ‘mansthinking’

Eu estava aqui mansthinking sobre essa coisa de manswriting e mansposting todo dia. É algo que foi se mansincorporating à rotina, um tanto pelo prazer…

Leia mais

Passeando por cemitérios. Por Eduardo Affonso

Eduardo Affonso * Minha mãe herdou de minha avó o hábito de visitar cemitérios. Onde quer que fosse, deixava ruas, lojas e igrejas para trás,…

Leia mais