http://www.marvelsul.com.br/site/content/home/
OPINIÃO
  • Ainda sobre o Caso Falconi e outras coisas mais...
    31/07/2014 | 14h53

    Rubens Filho

    Filme retrata assassinato de John Kennedy: impacto e amor pelo jornalismo
    Em atualização. Última às 15h37

    Ministério Público informa que se a prefeitura descumprir decisão do TJ-RS que suspende o contrato com a Consultoria Falconi, poderá dar início à apuração de responsabilização criminal do prefeito Eduardo Leite

    Fazer jornalismo é uma atividade prazerosa porque permite mergulhar nos temas que dizem respeito à sociedade de um município ao mundo. A gente tem a oportunidade de abrir a mente, ampliar a consciência, tornar-se mais crítico e capaz de compreender melhor a vida. 

    Desde sempre fui apaixonado pelo jornalismo, seduzido pelas ideias e pelo "conflito", no sentido de confrontar minhas certezas com as certezas dos outros, de identificar as contradições e de, através desse embate, aproximar-se mais do que seria a "grande verdade que move as pessoas em suas circunstâncias".

    Nem sempre minhas apostas se confirmam, mas sinto que a cada ano que passa as chances de erro diminuem, pelo acúmulo da experiência.

    Um dado pessoal: a imagem de John Kennedy abatido a tiros em Dallas me impactou profundamente na infância e, de alguma maneira, foi responsável por me trazer para o jornalismo. Os bastidores do assassinato, nunca esclarecidos com certeza absoluta, ensinaram uma dura verdade: quanto mais o tempo passa, mais distante ficamos da verdade.

    Nesta altura da vida, não encontro muitos motivos para acreditar na comunhão da raça humana, por causa, entre outras, de uma coisa chamada auto-indulgência. É da natureza dita humana sempre encontrar explicações para os próprios atos e perdoar-se, mesmo os atos que soam absurdos e em confronto flagrante com a realidade. Não vamos longe... Fiquemos com o conflito entre Israel e Palestina, o enclave russo na Ucrânia e o míssil que matou quase 300 passageiros do avião da Malaysia Airlines, reinserindo o clima de Guerra Fria após 25 da derrubada do Muro de Berlin. 

    Por natureza pessoal, nunca gostei de estabelecer verdades categóricas de fora imediatista. Quando pareço categórico numa afirmação ela é resultado da experiência acumulada. Por causa disso, a cada ano que passa sinto que tenho menos chances de errar na minha avaliação, embora não esteja imune totalmente ao equivoco.

    FALCONI - Nesta quarta (30), Eduardo Leite (PSDB) deu entrevista coletiva a jornalistas, com o objetivo de tentar eliminar dúvidas sobre o contrato firmado - sem licitação - com a Consultoria Mineira Falconi, por R$ 2,2 milhões e um ano de serviços. Dúvidas e questionamentos que persistem na imprensa, desde a assinatura do contrato, em fevereiro passado.

    Durante cerca de duas horas, o prefeito fez uma palestra, apresentou números, entregou um documento sobre os motivos da contratação e respondeu a perguntas dos jornalistas.

    O prefeito estava acompanhado da vice, Paula Mascarenhas (PPS).

    A vigência do contrato está formalmente suspensa por liminar, decisão tomada por unanimidade de uma turma de três desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Leite recorreu dessa decisão, através da Procuradoria do Município, alegando que o TJ-RS não considerou para a decisão a totalidade dos argumentos jurídicos da Prefeitura para celebrar o contrato. O mérito da questão está para ser julgado no TJ-RS.

    A decisão chegou à Justiça porque o Ministério Público ingressou com uma ação questionando a licitação (veja link abaixo).

    Neste momento, mesmo que o contrato esteja formalmente suspenso, consultores da Falconi continuariam a prestar o trabalho à Prefeitura. Diante disso, o MP emitiu nota reafirmando que o contrato está suspenso e informando que "se a prefeitura afrontar a decisão judicial ele, MP, poderá dar início à apuração de possível responsabilização criminal e a demais providências pertinentes decorrentes de omissão, para reparação ao erário municipal e para a devida execução da decisão judicial".

    CONTINUA EM INSTANTES


    LEIA MAIS:

    Contrato com Falconi surpreendeu porque não combina com 'estilo de Leite'

    Dificilmente Leite reverterá suspensão de contrato por TJ-RS

    Desembargadores suspendem, por unanimidade, contrato de Leite com Falconi

    Representante da Falconi ofereceu consultoria ao Sanep

    Juiz indefere liminar que pedia suspensão de contrato

    Procuradoria do Município contesta ação do MP que pede fim do contrato com Falconi

    Ministério Público pede suspensão e anulação do contrato entre Prefeitura e Falconi

    Em nota, Prefeitura explica motivo do contrato

    Leite vai gastar 2,2 milhões por consultoria. Vai botar dinheiro fora

    Facebook | Twitter | Política de Comentários

  • http://www.livrariamundial.com.br/
    Aécio promete cortar Estado pela metade e diz que PT "demonizou privatização"
    31/07/2014 | 14h18

    A exemplo de Eduardo Campos (PSB), o senador e candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, ficou dentro do papel esperado durante sabatina promovida nesta quarta-feira (30) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). No primeiro evento eleitoral que reúne em um só dia os três primeiros colocados nas pesquisas, o tucano adotou o papel de pai de uma agenda liberal no campo econômico, chegando à promessa de reduzir “pela metade” o tamanho do Estado, que, na visão dele, sofre de “gigantismo”. “O meu governo será o da meritocracia e da eficiência.”

    Enquanto Eduardo Campos se apresentou como o único inovador entre Dilma, Aécio e ele, o mineiro preferiu citações mais amplas de suas propostas, sem apresentação de detalhes, sempre com críticas ao governo encabeçado pelo PT. “Sou candidato de um sentimento de mudança que hoje permeia a sociedade brasileira. Me preparei e me reuni nos últimos anos, cotidianamente, com expressivas lideranças e representantes dos mais diversos setores que querem inaugurar um novo tempo e um novo ciclo de desenvolvimento”, afirmou.

  • Vivo demite funcionária que se recusou a mentir
    31/07/2014 | 01h01

    Uma funcionária da operadora de telefonia Vivo irá receber uma indenização de 50 mil reais por se recusar a mentir para clientes. O objetivo da empresa era priorizar a contratação sobre planos pós-pagos informando aos clientes que o sistema para planos pré-pagos estava indisponível.

    Por não aceitar a prática, a funcionária foi alvo de xingamentos e brincadeiras na companhia.

    Uma testemunha, cujo depoimento foi reforçado por outro funcionário da loja, relatou o caso ao juiz Marcos Fagundes Salomão, da 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região do Rio Grande do Sul.

    Ele tentou adquirir um plano pré-pago, mas foi informado de que o sistema não estava funcionando. Quando tentou novamente, a funcionária em questão vendeu o plano normalmente e, por isso, foi hostilizada pelos colegas de trabalho.

    O juiz também entendeu que o caso gerou problemas como ansiedade e estresse à funcionária, que ficou algumas semanas afastada do trabalho e foi demitida ao retornar. Com isso, a Vivo terá que pagar indenização por danos morais e mais 12 meses de salário.

  • Leite acredita que TJ-RS aprovará contrato com Falconi quando julgar o mérito da ação
    30/07/2014 | 13h33

    Prefeito Eduardo Leite convocou e concedeu entrevista coletiva na manhã desta quarta (30), na ante-sala de seu gabinete. Nela, procurou esclarecer o contrato com a Falconi Consultoria de Resultados e eliminar suspeitas e dúvidas sobre a validade e a lisura do contrato que têm surgido na imprensa.

    O contrato, que se destina a melhorar a relação de ensino-aprendizagem nas escolas públicas da cidade, encontra-se suspenso por liminar unânime de três desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS).

  • Para curtir a nostalgia de algo bom em sua vida que ficou lá longe
    30/07/2014 | 09h42
  • Denúncias de vereadores de problemas e irregularidades no Programa Minha Casa, Minha Vida já foram feitas pelo Amigos de Pelotas há três anos
    29/07/2014 | 22h42

    Rubens Filho

    Levei as matérias que produzi sobre o caso ao procurador da República. Ele reabriu investigação e ingressou com ação contra os proprietários das imobiliárias associadas Fuhro Souto e HFM e mais Caixa, Banco do Brasil e construtora Capamax.

    Na época, vereadores e deputados se calaram, mesmo os do PT, partido da presidente Dilma, que criou o Programa Minha Casa, Minha Vida.

    Leio no site da Câmara que o presidente do Legislativo, vereador Ademar Ornel (DEM), reclamou da ausência da integrantes da Prefeitura em audiência pública ocorrida na sexta passada e que recebeu moradores dos residenciais do programa Minha Casa, Minha Vida.

    A audiência se destinou a discutir problemas denunciados por mutuários do Programa Federal, financiado pela Caixa, Banco do Brasil, com doação de terrenos por parte da Prefeitura para candidatos com faixa de renda mais baixa. Moradores e inscritos que ainda não receberam os imóveis estavam presentes para relatar dificuldades que vêm enfrentando.

    Entre os problemas, há denúncias de construções com rachaduras e outros defeitos de fabricação. Há casos de inscritos desde 2007 que alegam até hoje não terem recebido o imóvel, entre outras.

    DENÚNCIAS ANTIGAS E SEM SOLUÇÃO - Denúncias de desvirtuamento das finalidades sociais do programa Minha Casa, Minha Vida em Pelotas são antigas.

    Muito antes de vereadores se manifestarem agora sobre o tema, produzi, no Amigos, uma série de reportagens denunciando a cobrança de corretagens ilegais feitas por parte de imobiliárias de Pelotas contra mutuários do programa. Foi lá em 2011.

    Naquela época, os vereadores e deputados, mesmo do PT, que deveriam zelar pelo programa MCMV, do governo Dilma, calaram-se.

    Procurador Mauro dos Santos: autor da ação que denuncia prática de enriquecimento ilícito

    A cobrança de corretagem e similares equivalentes à "entrada" no negócio é proibida, segundo informaram a Caixa e o Ministério das Cidades, pois os custos desta já estão embutidos nos preços dos imóveis. Mesmo assim, imobiliárias como a Fuhro Souto, HFM, Casarão, que comercializavam para construtoras como a Serial Engenharia, Capamax, Ricardo Ramos, entre outras, faziam as cobranças, segundo apurei com mutuários e a Procuradoria checou.

    Entrevistei vários compradores de imóveis. Eles me contaram que funcionários das imobiliárias chegavam a telefonar para eles e 'alertar' que se não pagassem a corretagem (ou similares, como taxas de adesão etc.), perderiam os imóveis. Era uma ilegalidade flagrante, inclusive porque esta cobrança era feita antes mesmo de os cadastros dos candidatos a mutuários serem analisados pela Caixa, que os poderia recusar. Como fazer cobranças de interessados sem que nem seus cadastros estivessem aprovados?

    Levei pessoalmente as matérias que produzi sobre o caso ao procurador da República Mauro dos Santos, em Pelotas. Ele reabriu o caso, que estava parado há meses, enfim convencido da ilegalidade, e ingressou com ação civil pública contra os proprietários das imobiliárias associadas Fuhro Souto e HFM, e contra as direções da Caixa, do Banco do Brasil e da Construtora Capamax, parceira da FS.

    A ação continua correndo ma Justiça. Uma liminar, porém, foi expedida logo após o ingresso da ação do procurador, proibindo a Fuhro Souto e a HFM de cobrarem corretagem de empreendimentos do Minha Casa, Minha Vida.

    LEIA MAIS:

    - Dilma: "Ninguém pode cobrar nada dos mutuários do Minha Casa, Minha Vida"

    - Procurador aciona na justiça Fuhro Souto, HFM, Capamax, Caixa e BB

    - Em Minas Gerais, Procuradoria da República ajuíza ação pelo mesmo motivo que procurador processou imobiliárias de Pelotas

    - Dilma: "Atendidos do Minha Casa não devem nada a ninguém"

    - "Não é papel da Caixa fiscalizar comercialização do Minha Casa. Para isso, firmamos parceria com a Polícia Federal e o Cofeci", diz superintendente da Caixa em Pelotas

    - Dilma admite ocorrência de fraudes no Minha Casa e diz que papel do governo é investigar

    - Minha Casa: Prefeitura mais rigorosa na seleção de mutuários

    - Secretária diz que não há entraves a projetos de construção, mas sim respeito à lei e às exigências do governo federal

    - Governo Fetter ignorou portaria do Ministério das Cidades para o Minha Casa

    - Caixa quer que novas habitações do Minha Casa sejam acompanhadas de infraestrutura

    - Administração de condomínios é parte do jogo de poder imobiliário

    - Medo e abandono no Residencial El Dorado

    - Moradores do Minha Casa reclamam de falta de infraestrutura nos residenciais

    - Moradas Pelotas destitui Fuhro Souto de administração

    - Ameaça de degola depois que residencial destitui Fuhro Souto de administração de condomínio

  • Relatos da vida íntima: Domenico, o monarca das galinhas (6)
    29/07/2014 | 20h38

    Domenico S. Miglio

    Saímos da rua Três, pegamos a Andrade Neves e meu pai decidiu levar o pão da Confeitaria Abelha. O balconista, velho amigo de meu pai, o atendeu e começaram a conversar assuntos, dos quais não tenho a menor lembrança. O que eu lembro, e muito bem, é de ter comido um daqueles saborosos queques, que qualquer padaria ou confeitaria da cidade fazia sem uso de ingredientes químicos ou estelionatar a receita. Comi aquele queque acompanhado, e aqui surge uma dúvida se por um guaracy, crush ou mesmo de um guaraná ou gasosa fabricada pela Viúva Mário Sacco. Dali, tomamos o caminho de casa. Durante o trajeto, eu, que me apropriara da aventura vivida por meu pai com uma daquelas prostitutas francesas da rua Três, caminhava na expectativa de vê-las surgir no peitoril das casas que ficavam para trás, sem que isso acontecesse.

    A palavra usada por meu pai para indicar o lugar onde elas debruçavam os seios, foi parapeito; mas, eu a entendi como aparapeito. Fosse qual fosse a palavra, as francesas não apareceram.

    O que surgia eram movimentos de cortina nas janelas das casas, que íamos deixando pelo caminho.

    O movimento daquelas cortinas, de panos grossos e cores pesadas, era provocado por mãos femininas. Mãos finas e brancas. Um maravilhoso e marcante contraste. Vi poucos olhos e muitas mãos. Olhos a espiar os que passavam e a espera dos que poderiam passar, olhos que se ali, por detrás daquelas cortinas não estivessem, perderiam de ver o ainda não visto.

  • Campos e Marina fazem campanha em Pelotas na sexta
    29/07/2014 | 20h02

    Os presidenciáveis Eduardo Campos e Marina Silva, candidatos a presidente e vice do País, estarão em Pelotas na próxima sexta (1), em campanha. Veja a agenda da dupla, abaixo:

    ***
  • Postais: Céus vistos de Pelotas
    29/07/2014 | 19h44

    Daniel Giannechini

    Nos olhos meus: Céus

    São Gonçalo

    Daniel Giannechini é fotógrafo profissional.

    Outras imagens do autor

    Facebook de contato de Daniel: com fotos de eventos sociais

  • Receita sueca para atacar corrupção: igualdade social
    29/07/2014 | 19h20

    Gunnar Stetler franze a testa, pisca duas vezes e contrai os músculos do rosto, como quem faz um cálculo extraordinário. Percorre os labirintos da memória durante uma longa pausa, e encontra enfim a resposta: nos últimos 30 anos, ele diz, foram registrados apenas dois casos de corrupção entre parlamentares e integrantes do governo na Suécia.

    ”Tenho apenas uma vaga lembrança”, diz Stetler. ”É muito raro ver deputados ou membros do Governo envolvidos em corrupção por aqui.”

    Estamos no escritório abarrotado de arquivos e papéis do promotor-chefe da Agência Nacional Anti-Corrupção (Riksenheten mot Korruption), no bairro de Kungsholmen. A poucos passos dali, na mesma rua Hantverkargartan, fica a sede da temida Ekobrottsmyndigheten, a Autoridade Sueca para Crimes Financeiros. Com o sol de abril que enfim derreteu o gelo de mais um inverno, do outro lado da rua mães passeiam com seus carrinhos de bebê entre os túmulos do jardim da igreja Kungsholmskyrka, um hábito comum que se estende a vários cemitérios-parque da cidade.

    Da sua pequena sala, Gunnar Stetler chefia o trabalho de promotores especializados que investigam os principais casos de suspeita de corrupção no país. Casos menos graves são processados a nível regional, nas diversas promotorias distritais que compõem o cerco sueco contra trapaças, tramóias e falcatruas em geral.

    Cláudia Wallin, en entrevista a Jô Soares

    Com 1,93m de altura, expressão grave e ar insubornável, Gunnar Stetler é descrito na mídia sueca como o maior caçador de corruptos do país. Entre os casos sob a sua mira em 2013 estava a denúncia de que a operadora de telefonia sueca TeliaSonera teria pago suborno no valor de 337 milhões de dólares para estabelecer operações no Uzbequistão.

  • Fim da greve do Sanep lembra a música 'Por que me arrasto aos seus pés', de Roberto Carlos
    29/07/2014 | 15h33

    Trecho da Letra de RC: 

    "Me desespero porque... 

    Você é mais que um problema, é uma loucura qualquer... Mas sempre acabo em seus braços, na hora que você quer"


    Greve de servidores do Sanep, autarquia de Águas de Pelotas, chega ao fim após 71 dias, melancolicamente. 

    O movimento nunca foi unânime e aos poucos foi minguando, com o retorno dos servidores ao emprego. Restaram uns poucos resistentes. 

    A greve foi se retraindo depois que a prefeitura avisou que não tinha como evoluir na sua proposta de reajuste e que iria descontar os dias parados e o vale-alimentação dos grevistas.

    A prefeitura ofereceu 6,3%, já acima da inflação. Os grevistas queriam 12%.

    O fim da greve faz lembrar, com ironia, da música de Roberto Carlos mencionada no título deste post. É uma relação de amor e de ódio, com uma característica marcante: a dependência mútua.

    LEIA MAIS:

    - Prefeitura diz que Sanep tem funcionários em excesso e dá prejuízo

    - Sanep diz que consegue atender demanda por serviços, mesmo com greve

    - Leite oferece solução ao fim da greve do Sanep

    TJ-RS suspende liminar de juiz Bento e mantém desconto de dias parados de grevistas do Sanep

    Marcus Cunha faz denúncia falsa na área da Saúde

    Dourado explica a complexidade da relação servidor e prefeitura

  • Lentidão judicial no caso da Escola de Samba do Areal deu tempo de 'fazer e criar um filho até o quartel'
    29/07/2014 | 15h21
    O mais interessante na decisão judicial que determina, agora, que a direção da Escola de Samba Estação Primeira do Areal desocupe área pública doada pela Prefeitura na Praça Alfredo Pujol, no bairro Areal, é o tempo que levou.

    A Prefeitura deu o terreno em 1994. O Ministério Público entrou com ação judicial contra a transação em 1996. Só em 2014, 18 anos depois, vem a decisão judicial.

    É tempo de sobra para faturar política e eleitoralmente com a doação. E, pasme, ainda cabe recurso judicial para a Escola de Samba. Ou seja, a ilegalidade ou o crime, dependendo da natureza, compensa.

  • Civilização e barbárie
    29/07/2014 | 14h45

    Montserrat Martins

    "A cultura política predominante do mundo árabe não é fácil, sabemos. Mas se espera que num povo que já foi vítima do holocausto surjam formas de se proteger que não reproduzam o genocídio sofrido – e compreendam que a morte de inocentes é uma fábrica de ódio dos parentes enlutados." (MM)

    Nos 100 anos do início da Primeira Guerra Mundial, ao final de julho de 1914, o mundo vive uma crise civilizatória com evidentes focos de barbárie, que resistem aos esforços de evolução da comunidade internacional. Em pleno século XXI ainda resistem práticas imperialistas e colonialistas tais como os Estados Unidos invadirem o Iraque, a Rússia cobiçar territórios da Ucrânia armando rebeldes a seu favor, a China mantendo a ocupação do Tibet.

  • Um bom motivo para Eduardo Leite pegar um avião para a Finlândia
    28/07/2014 | 15h32

    Da Redação

    Escola pública na Finlândia: melhor do mundo

    O prefeito Eduardo Leite, que contratou em fevereiro passado a consultoria mineira Falconi, sem licitação, por R$ 2,2 milhões, para melhorar a relação ensino-aprendizagem nas pouco mais de 100 escolas públicas do município, tem um ótimo motivo para fazer uma viagem de trabalho. Ou, se preferir, estabelecer uma teleconferência com um país campeão em matéria de educação, a Finlândia.

    Viagem ou teleconferência podem ser importantes porque o contrato que Leite firmou com a Falconi encontra-se suspenso, neste momento, pela unanimidade dos desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que condenaram a falta de licitação.

    O EXEMPLO 'FINLÂNDIA' - A Person, editora que publica a revista Economist, publicou há pouco um estudo sobre a educação pública no mundo, comparando países. 

  • PT quer ampliar desgaste de Aécio com aeroporto
    27/07/2014 | 18h09

    O Partido dos Trabalhadores traçou uma estratégia para desgastar o candidato tucano Aécio Neves, até o início do horário eleitoral, que começa no dia 19 de agosto. 

    O plano consiste em esticar ao máximo a crise deflagrada na campanha tucana desde que eclodiu o caso sobre a construção de um aeroporto em Claudio (MG), a seis quilômetros de uma fazenda do senador. 

    O próximo passo será pedir à Aeronáutica a informação de todos os pousos e decolagens no aeroporto, segundo antecipou o colunista Felipe Patury, da revista Época, na nota abaixo:

    Lista de espera

    O comando do PT mineiro pediu à Aeronáutica informações sobre os voos que pousaram no aeroporto do município de Claudio, construído numa área em litígio entre o governo do Estado e parentes do presidenciável tucano Aécio Neves. Os petistas querem prefixos dos aviões e nomes dos tripulantes.

<
123...136
>