Bohemian Rhapsody, a imperdível cinebiografia de Freddie Mercury e do Queen

É difícil encontrar, nos dias de hoje, uma banda que inspirou tantas pessoas como o Queen. Grande parte do sucesso e do magnetismo da banda era, sem dúvidas, graças ao seu vocalista Freddie Mercury. Com uma personalidade única, Mercury encantou multidões com sua voz inconfundível e mudou o mundo da música para sempre. Com um título que homenageia o maior clássico do Queen, Bohemian Rhapsody coloca em foco a vida de seu ídolo.

Durante a década de 70, Freddie Mercury (Rami Malek) se aproxima dos músicos Brian May (Gwilym Lee), Roger Taylor (Ben Hardy) e John Deacon (Joseph Mazzello), formando com eles o Queen. Vimos a trajetória da banda desde sua formação, quando Freddie, então chamado de Farrokh Bulsara, conheceu seus colegas de banda quando ainda faziam parte do trio Smile, até a inesquecível apresentação no Live Aid em 1985.

O filme passou por dificuldades durante seu processo de produção, com o diretor Bryan Singer demitido e substituído por Dexter Fletcher. Apesar de trazer Brian May e Roger Taylor como consultores criativos, o filme foge da realidade diversas vezes. Além de errar na origem da banda, o longa peca ao afirmar que Freddie Mercury deixou o Queen para lançar uma carreira solo, quando na realidade outros membros seguiram carreira solo antes dele, como o baterista Roger Taylor. Além disso, o filme cria um melodrama forçado ao usar o diagnóstico de HIV do vocalista para justificar a reunião da banda e fazer o show histórico no Live Aid. A verdade é que Mercury não sabia que estava infectado com o vírus quando realizou o show em 1985, pois só foi diagnosticado com a doença em 1987.

O fraco roteiro de Anthony McCarten apressa a maioria dos acontecimentos, principalmente em sua primeira metade. Em pouco tempo, a banda já está formada, fazendo sucesso e lotando estádios, sem que sequer conheçamos as dificuldades enfrentadas até que eles alcançassem o sucesso. A partir da segunda metade, a narrativa começa a direcionar seu foco para a vida de Mercury, mostrando sua longa relação com Mary Austin (Lucy Boynton), sua esposa e amiga até a morte, e a descoberta de sua sexualidade e, também, algumas de suas angústias. Outro ponto que poderia ter sido melhor abordado é o relacionamento amoroso com Jim Hutton (Aaron McCusker), parceiro de Freddie Mercury em seus últimos anos de vida e que cuidou do músico durante toda sua doença.

Com uma caracterização impecável dos anos 70, 80 e início dos 90, a sensação é de que realmente estamos fazendo parte de uma jornada. A ambientação e os figurinos estão espetaculares, principalmente nas roupas do vocalista, que exploram todo seu estilo único e excêntrico. O diretor de fotografia Newton Thomas Siegel consegue, através de uma iluminação perfeita, evocar o semblante de Freddie Mercury e tornar Rami Malek ainda mais parecido com o cantor. A semelhança é assombrosa em vários momentos.

Infelizmente, o filme não apresenta como gostaríamos o modo de criação das letras e melodias do Queen. Entretanto, a sequência da gravação de “Bohemian Rhapsody” é uma das melhores do longa, com a incessante busca de Mercury pelo ‘Galileo’ perfeito de Roger Taylor ou o som de guitarra cada vez mais forte que Brian May pudesse alcançar. Vemos também cenas que exibem os bastidores de canções como “We Will Rock You” e o clássico videoclipe de “I Want To Break Free”. Porém, alguns momentos de criatividade soam forçados, como quando John Deacon cria o riff inicial de “Another One Bites the Dust”.

Queen: campeões

Para a árdua (e aparentemente impossível) tarefa de interpretar Freddie Mercury, temos um Rami Malek simplesmente incrível. O ator conseguiu captar todos os gestos e trejeitos do cantor, em uma performance digna de Oscar e que vai além da caracterização física com o bigode e os óculos escuros. Sua sintonia com Freddie Mercury pode ser comparada com as cenas reais do Live Aid, quando percebemos nitidamente a força da interpretação e da presença de cena de Rami Malek. Ao seu lado, Lucy Boynton está ótima como a grande inspiração para “Love of My Life”, em sequências carregadas de emoção e intensidade.

Freddie Mercury

Basicamente composta de músicas do Queen, a trilha sonora certamente emocionará, em especial na belíssima sequência em que ouvimos “Who Wants To Live Forever”. Entre as performances que o filme acertadamente faz questão de explorar, está a maravilhosa “Love of My Life” no Rock in Rio de 1985, com o público inteiro cantando e que arrepiou até Freddie Mercury, e, claro, “Bohemian Rhapsody” em sua versão completa no Live Aid. Ainda na trilha, músicas inesquecíveis como “Somebody to Love”, “Crazy Little Thing Called Love”, “Under Pressure”, “Radio Ga Ga”, “Don’t Stop Me Now” e os créditos ao som de “The Show Must Go On”.

Licenças poéticas à parte, Bohemian Rhapsody é uma grande celebração da vida e do talento de Freddie Mercury. Um espetáculo imperdível!

Author: Deborah Schmidt

Obrigado por participar.