Connect with us

Pelotas e RS

Memórias de um peloteiro

Publicado

on

Não é preciso recorrer à ciência para admitir que as lembranças da juventude se avivam na memória das pessoas mais velhas.

Por isso, em homenagem aos amigos e parentes de Pelotas, lembro aqui minha chegada à Princesa. Foi nas vésperas do feriadão de Finados de 1961.

Em pleno final de outubro eu havia entrado em férias antecipadas porque tinha passado por média em todas as matérias do terceiro ano ginasial e, portanto, estava apto a pedir transferência da minha escola em Cachoeira do Sul para a quarta e última série de um dos grandes colégios pelotenses.

Deixa eu me gabar um pouco: raros alunos tinham notas suficientes para se livrar dos exames de fim de ano mas, fora meus familiares, ninguém sabia dessa minha vitória.

Com um mês de antecedência, havia fechado meu boletim. Podia enfim dispor de todo meu tempo. É claro que precisava ajudar em casa, mas isso não era nada difícil.

Não havia muito o que arrumar na nova morada, que ficava na parte de trás de uma casa com fachada para a avenida Fernando Osório, na divisa das Três Vendas com as Terras Altas.

Era estranha aquela dupla construção feita em épocas bem diferentes. Na parte da frente, mais moderna, as duas peças estavam alugadas a uma família que não tivera tempo de se mudar e ali ficou enquanto toda a propriedade trocava de dono.

Publicidade

Na prática, os Petersen se tornaram nossos inquilinos involuntários. O marido, faceiro e barrigudo, era caminhoneiro e passava fora a maior parte do tempo. Meio que imitando o pai, os dois guris viviam pela rua, de modo que a casa ficava toda para a mãe, falante e espaçosa.

Como banheiro, eles usavam o sanitário anexo à parte dos fundos, o que exigia uma caminhada ao relento. À noite, no inverno, é possível que usassem urinóis.

Na parte de trás, só acessível por uma porta lateral, dispúnhamos de cinco peças para três pessoas: eu, meu irmão caçula e minha mãe, que só de vez em quando recebia a visita de meu pai, envolvido com suas lavouras no vale do Jacuí, a 350 quilômetros de Pelotas.

É verdade que a mudança foi precedida da compra de alguns móveis, pois minha família, de tanto se mudar para moradas precárias na zona rural, foi ficando sem os apetrechos da vida moderna.

A última morada fora numa casa de madeira com água de poço e “casinha” nos fundos — situação comum na vida de agricultores itinerantes, desses que plantavam em terras arrendadas.

Hoje em dia, embora morem na cidade, os arrendatários respondem por dois terços da produção de arroz do Rio Grande do Sul. Para poder continuar os estudos, os filhos maiores moravam em casas de parentes na cidade. Meu caso.

A mudança para uma cidade maior configurava uma substancial melhoria de vida. Pelo menos para mim, foi uma promoção, uma vitória. Eu saía de um quartinho improvisado na pensão familiar do meu tio materno e ia morar numa casa própria em outra cidade bem mais adiantada.

Foi com essa convicção que, terminadas minhas tarefas domésticas, montei na minha nova bicicleta Monark e saí pedalando a ver como era a vida nas Terras Altas das Três Vendas.

Publicidade

O feriadão de Finados fazia o bairro borbulhar. Muita gente na avenida, um formigueiro nas calçadas tomadas por grama alta e resíduos de construções, aquela zorra dos subúrbios das cidades brasileiras.

Fui e voltei pela avenida no afã de identificar os pontos-chave do bairro. Indiscutivelmente o grande ponto de referência era o canal de esgoto a céu aberto ao lado da avenida de mão única.

Havia ali um líquido que, aparentemente, não corria para lado nenhum, mas ficava meio escondido pela vegetação que crescia viçosa, alimentada pela umidade rica em nutrientes vindos das residências e fábricas da avenida — matadouros de porcos e processadoras de pêssegos.

(Lembro da vez em que o garoto vizinho chegou-se à casa todo sujo: havia saído de bicicleta para buscar leite. Por incrível que pareça, ele costumava buscar o líquido com o fervedor, um recipiente de alumínio que se levava diretamente ao fogo, para esterilizar o leite mediante fervura. Pois o guri vinha todo faceiro com o fervedor cheio até a metade um litro de leite) numa das mãos, tendo a outra livre para segurar o guidão da bicicleta.

Na real, ele gambeteava, sem segurar o guidão. Anoitecia. Provavelmente ofuscado pelos faróis de um carro, ou após dar uma olhada para trás, projetou-se canal adentro, de onde emergiu assustado, mas sem ferimento ou machucado, exceto na autoestima. E sem o leite.)

A meio quarteirão de casa, um letreiro gravado em duas colunas de concreto plantadas no começo de uma rua anunciava: VILA BROD. Rua de terra com casas simples e terrenos baldios.

No fim da rua, a 600 metros da avenida principal, começava um mato ralo de eucaliptos. Ao lado, um campo de futebol, duas goleiras e, no fundo, um galpãozinho usado como vestiário dos atletas. No mesmo espaço, havia um balcão usado como bar em dias de jogo.

Naquele dia, havia um jogo amistoso. O time da casa estava em campo. Vestia camisetas xadrez em preto e branco. Eu nunca tinha visto coisa igual. Como seria o nome do clube?

Publicidade

A informação veio logo: Esporte Clube Camponês… Mais rural, impossível. Logo me senti em casa na incrível Vila Brod. O reduto dos meus brothers.

Quando o jogo terminou, fiquei por ali, na beira do campo, novato disponível para aderir ao grupo. Enquanto os atletas foram descansar, a miuçalha improvisou um racha. Logo me convidaram para participar. Fui o último a ser escolhido, mas não é assim que as coisas começam?

Bastou meia hora de pelada para me incorporarem ao juvenil do time. No dia seguinte, sábado, Finados, haveria um treino de chuteiras contra o time B. No domingo, um jogo amistoso do time principal.

Em menos de 24 horas, eu estava inserido no time das Três Vendas das Terras Altas. Essa acolhida na periferia de Pelotas foi um bálsamo para o recém-chegado de uma cidade distante.

Clique para comentar

Obrigado por participar. Comentários podem ser rejeitados ou ter a redação moderada. Escreva com civilidade, por favor.

Especial

A câmera escondida na Secretaria de Trânsito

Publicado

on

“A gente morre e não vê tudo”. Pelo visto, o servidor da Secretaria de Transporte e Trânsito que instalou uma câmera escondida em um banheiro da repartição decidiu reformar o ditado.

Como o recinto é unissex, o voyeur gravou mulheres e homens. Ele foi afastado das funções; os efeitos de seu ato, não. Mais difícil de desinstalar, a paranoia tomou assento, e não só na STT.

A vigilância íntima era restrita a um banheiro ou disseminada pela Administração pelotense? É de supor que, em toda a prefeitura, venham tendo pensamentos persecutórios.

A literatura policial diz que o criminoso sempre volta ao local do crime. No caso, pior: as vítimas também voltavam, há quanto tempo não se sabe ainda. Maldito seja o misterioso por transformar um lugar de alívio num foco de tensão.

O assunto tem sido tratado com sigilo. Mas provavelmente a Segurança está fazendo uma varredura geral, não apenas nos banheiros, mas também nos gabinetes.

Será que, além de outras câmeras espalhadas por aí, não haverá escutas também? Será que o arquivo morto na verdade está vivo? Aquele ponto preto na parede é só uma mosca? Qual seria exatamente a intenção do voyeur? Satisfazer desejos sexuais? vender as imagens? Usá-las para constranger pessoas e subir na hierarquia? Chantagem? Chantagem política? Nessa hora, os pensamentos disparam em todas as direções.

Um filme com Gene Hackman, chamado A Conversação, leva ao extremo a paranoia quando ela se instala. À procura de grampos, literalmente ele destrói seu apartamento. No fim, senta num canto e toca saxofone.

Publicidade

Como um programa de varredura e distribuição de saxofones aos funcionário seria surreal na administração pública, o provável é que o pessoal da Segurança apenas redobre seus cuidados regulares, se é que a paranoia não está fazendo suspeitar da própria Segurança.

* Especula-se que as imagens circulem há algum tempo, em alguns ambientes (não pergunte quais). Para piorar, especulam que o voyeur fazia gravações há vários anos, pelo menos desde 2018.

Continue Reading

Cultura e diversão

Em livro, Mateus Bandeira conta sua ‘aventura’ como candidato a governador do RS, em 2018

Publicado

on

Mateus Bandeira escreveu um livro sobre sua participação na campanha ao governo do Rio Grande do Sul, em 2018, pelo Novo. O trabalho, iniciado há dois anos, está concluído. Chama-se Quem roubou nossa coragem, publicado na Esquina do Lombas, doo editor Vitor Bertini. O lançamento está marcado para o próximo dia 25 deste agosto, em Porto Alegre. Mateus pretende fazer um lançamento do livro em Pelotas, em data a ser divulgada. Em breve estará disponível na Amazon.

MB é conselheiro de administração e consultor de empresas. Foi CEO da Falconi, presidente do Banrisul e secretário de Planejamento e Gestão do Rio Grande do Sul.

Mateus (na foto superior, com Winston Ling, apoiador de sua campanha) explica o que o levou realizar o trabalho:

“Resolvi escrever sobre a minha “aventura” de 2018, como candidato a governador do RS. Para quem não era político, encarei o desafio como um sabático e o aprendizado foi enorme. Por isso, resolvi registrar. É um testemunho de quem veio de fora da política e colocou a mão na massa pra defender os valores e princípios de liberdade, de uma sociedade de livre mercado. Espero que essa história possa inspirar outras pessoas – seja considerando uma candidatura, seja compreendendo que há um papel importante a ser desempenhado apoiando candidatos, financiando candidatos que não usam fundos partidário e eleitoral. Divulgar esse livro será, também, a minha forma de ‘fazer política’ neste ano”.

Continue Reading

Pelotas e RS

Projeto de extensão do IFSul promove aulas preparatórias para o Enem

Publicado

on

Um projeto do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul) tem proporcionado uma preparação específica para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O Cursinho Popular Raízes, do câmpus Camaquã, que é voltado a pessoas que estão estudando para a prova, teve início na última quarta-feira (3), no auditório do câmpus, e contou com a participação de 110 estudantes da cidade e da região.

>> Clique aqui para acessar as aulas transmitidas pelo canal do projeto

Acompanhe – Além das atividades presenciais realizadas às quartas-feiras, o cursinho também promove aulas virtuais nas quintas-feiras, às 19h, que podem ser acompanhadas pelas pessoas interessadas por meio do canal do projeto no Youtube. As inscrições para a turma presencial já estão encerradas.

As aulas do cursinho são ministradas por educadoras e educadores do instituto, estudantes universitários, educadoras/es da rede estadual que se voluntariaram e egressas/os do câmpus que hoje são mestrandas/os e doutorandas/os.

As atividades do projeto seguem até o dia 20 de novembro, data que antecede a última prova do Enem.

Continue Reading
Brasil e mundo3 dias atrás

Prazo para pedir voto em trânsito termina na próxima quinta-feira

Eleições 20226 dias atrás

A carta de filiação que leu Pedro Hallal em sua filiação ao PT

Cultura e diversão4 dias atrás

Em livro, Mateus Bandeira conta sua ‘aventura’ como candidato a governador do RS, em 2018

Pelotas e RS1 semana atrás

Hallal se filia ao PT nesta quarta

Pelotas e RS5 dias atrás

Projeto de extensão do IFSul promove aulas preparatórias para o Enem

Brasil e mundo5 dias atrás

Petrobras reduz preços de venda de diesel para as distribuidoras

Especial6 dias atrás

Pais necessários

Brasil e mundo5 dias atrás

Conab estima safra de grãos em 271,4 milhões de toneladas em 2021/22

Brasil e mundo1 semana atrás

O tempo de tevê dos presidenciáveis

Brasil e mundo6 dias atrás

Revogado decreto que regulamenta profissão de corretor de imóveis

Especial1 dia atrás

A câmera escondida na Secretaria de Trânsito

Cultura e diversão3 dias atrás

Um dia engraçado

Brasil e mundo1 semana atrás

Dólar cai para R$ 5,11 e fecha no menor nível em sete semanas

Pandemia1 semana atrás

Mutirão de vacinação nas escolas será a partir de quarta-feira

Brasil e mundo1 dia atrás

Petrobras anuncia redução de R$ 0,18 na gasolina para distribuidoras

Brasil e mundo1 semana atrás

MEC divulga hoje resultado da 1ª chamada do ProUni 2022/2

Brasil e mundo16 horas atrás

Campanha eleitoral começa hoje nas ruas do país

Brasil e mundo1 semana atrás

Auxílio Brasil de R$ 600 começa a ser pago nesta terça-feira

Brasil e mundo16 horas atrás

Campanha eleitoral começa hoje nas ruas do país

Brasil e mundo1 dia atrás

Petrobras anuncia redução de R$ 0,18 na gasolina para distribuidoras

Especial1 dia atrás

A câmera escondida na Secretaria de Trânsito

Brasil e mundo3 dias atrás

Prazo para pedir voto em trânsito termina na próxima quinta-feira

Cultura e diversão3 dias atrás

Um dia engraçado

Cultura e diversão4 dias atrás

Em livro, Mateus Bandeira conta sua ‘aventura’ como candidato a governador do RS, em 2018

Pelotas e RS5 dias atrás

Projeto de extensão do IFSul promove aulas preparatórias para o Enem

Brasil e mundo5 dias atrás

Petrobras reduz preços de venda de diesel para as distribuidoras

Brasil e mundo5 dias atrás

Conab estima safra de grãos em 271,4 milhões de toneladas em 2021/22

Especial6 dias atrás

Pais necessários

Eleições 20226 dias atrás

A carta de filiação que leu Pedro Hallal em sua filiação ao PT

Brasil e mundo6 dias atrás

Revogado decreto que regulamenta profissão de corretor de imóveis

Pelotas e RS1 semana atrás

Hallal se filia ao PT nesta quarta

Brasil e mundo1 semana atrás

MEC divulga hoje resultado da 1ª chamada do ProUni 2022/2

Pandemia1 semana atrás

Mutirão de vacinação nas escolas será a partir de quarta-feira

Brasil e mundo1 semana atrás

O tempo de tevê dos presidenciáveis

Brasil e mundo1 semana atrás

Auxílio Brasil de R$ 600 começa a ser pago nesta terça-feira

Brasil e mundo1 semana atrás

Dólar cai para R$ 5,11 e fecha no menor nível em sete semanas

Cultura e diversão1 semana atrás

O TELEFONE PRETO. (Por Déborah Schmidt)

Brasil e mundo2 semanas atrás

Câmara aprova projeto que cria norma geral para concursos públicos

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Em alta