Connect with us

Opinião

‘Padrão construtivo do Haragano é comum nos EUA e Canadá’

Publicado

on

Um empreiteiro que ouvi há pouco, e pediu para não ser identificado, diz que o sistema Wood frame e mesmo o Still frame são tecnologias boas. Segundo ele, nos Estados Unidos e no Canadá, a maioria dos imóveis é feita com essas tecnologias.

Seis famílias perderam suas casas no Residencial Haragano, feito de Wood frame, num incêndio na noite de terça passada (link no pé). 

“É preciso cuidar para não criminalizar tecnologias diferentes. Falar que Wood frame pega fogo é mobilizar a população para uma causa errada; inclusive, essa tecnologia é mais sustentável, porque a madeira é renovável enquanto ferro e concreto têm um impacto muito maior”.

“É preciso investigar, porém, o que aconteceu especificamente no caso do lamentável incidente no Haragano”.

https://amigosdepelotas.com.br/2019/12/12/video-do-incendio-no-fragil-condominio-haragano/

Jornalista. Editor do Amigos. Ex-funcionário do Senado Federal, do Ministério da Educação e do jornal Correio Braziliense. Prêmio Esso Regional Sul de Jornalismo. Top Blog. Autor do livro Drops de Menta. Fã de livros e filmes.

1 Comment

1 Comment

  1. Fortino Reyes

    12/12/19 at 18:28

    Pois essa tal de “tecnologia diferente” foi a responsável em 1871 pelo grande incêndio de Chicago, que matou em torno de 300 pessoas. O “baloon frame” foi inventado por George Washington Snow (1797 – 1870), um engenheiro civil. A primeira obra no sistema foi a igreja St. Mary’s em Chicago, construída em 1833, em seguida quase todas as casas de Chicago eram construídas dessa forma. Realmente hoje com a variedade de materiais incombustíveis e mais “sustentáveis” (o pessoal adora essa palavra) não justifica o uso de tecnologia de dois séculos atrás. Claro que precisamos investigar o que causou o fogo, que teve na madeira seu grande alimento, geralmente mau uso das instalações elétricas e de gás.

Opinião

Decisão surpreendente a da prefeita!

Publicado

on

Foi surpreendente, e até chocante, ver a prefeita Paula Mascarenhas tentando na prática dar um terreno valioso do Município para a Associação Rural. Ela quer dar de mão beijada uma área da prefeitura do tamanho de 25 campos de futebol profissional (25 hectares), para que seja comercializada. Quer ceder a terceiros uma gleba pública, e daquelas dimensões, como se fosse propriedade sua.

O juiz Bento Barros não concordou com a transação. Mandou parar tudo e, em seu despacho, ainda mandou uns recados indiretos à prefeita. Mencionou a crise financeira da prefeitura e relembrou a ela da possibilidade legal de que venda (por licitação) o terreno que a Rural pretende comercializar, o que, no caso em questão, seria o lógico e esperado de um gestor atento ao interesse público.

O terreno, em valor estimado ao redor de R$ 100 milhões, teria por finalidade um vultoso empreendimento imobiliário na Rural — não um fim social, como o originalmente previsto na cessão da área. Um negócio que, se consumado, seria típico do Brasil, possível graças à mão caridosa e amiga do Estado. Pior é que o projeto de lei do Executivo autorizando a transação já tinha passado numa comissão da Câmara. Vereadores, que no papel são fiscais do interesse público, estão apoiando…

SABE LÁ DO QUE SE TRATA ISSO?

Há milhões de motivos para preocupações.

Ainda falta muito para o Brasil ser uns Estados Unidos, onde o empreendedorismo é tão admirado pelos nossos liberais. Se é que seria possível uma empreitada semelhante.

Continue Reading

Cultura e entretenimento

Anatomia de uma queda, o vencedor da Palma de Ouro. Por Déborah Schmidt

Publicado

on

 Samuel (Samuel Theis) é encontrado morto na neve do lado de fora do chalé isolado onde morava com sua esposa Sandra (Sandra Hüller), uma escritora alemã, e seu filho Daniel (Milo Machado Graner), de 11 anos, com deficiência visual. A investigação conclui se tratar de uma “morte suspeita”, pois é impossível saber ao certo se ele tirou a própria vida ou se foi assassinado. Sandra é indiciada e acompanhamos seu julgamento que expõe o relacionamento do casal. Entre o julgamento e a vida familiar, as dúvidas pesam sobre a relação da mãe com seu filho.

Com um começo instigante, Anatomia de uma Queda coloca dúvidas na cabeça do espectador: Samuel caiu acidentalmente do chalé ou cometeu suicídio? Ou será que foi empurrado por Sandra? Ao longo de 2h e meia, o filme desenvolve sua narrativa sem pressa e de forma complexa, focada nos diálogos. A primeira parte explora a investigação e a reconstituição da morte de Samuel, enquanto que na segunda temos o julgamento, com Sandra suspeita e acusada do assassinato do marido, tendo que provar sua inocência com ajuda de Maître Vincent Renzi (Swann Arlaud).

A diretora Justine Triet acerta em cheio ao trabalhar com diferentes versões, sem nunca apresentar uma verdade definitiva e nem respostas prontas. O roteiro de Triet e Arthur Harari, seu marido na vida real, foi uma colaboração perfeita ao explorar a intimidade do casal e a relação, muitas vezes abusiva, entre eles.

Em uma das grandes atuações do ano, Sandra Hüller tem uma performance poderosa. Falando em inglês, com dificuldade em francês e sem poder falar em sua língua materna, ela passa por todas as nuances de sua personagem e, ao lado do jovem Milo Machado Graner, conferem à narrativa uma profundidade impressionante.

Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes e forte candidato ao Oscar, Anatomia de uma Queda é um angustiante estudo de personagens que desvenda as complexidades das relações humanas.

Continue Reading

Em alta